BTG Insights

Dividendos recomendados pelo BTG para maio

PUBLICADO EM: 5.5.21 | 7H33
ATUALIZAÇÃO: 4.5.21 | 19H34
A rentabilidade acumulada da carteira supera o Índice de Dividendos e o Ibovespa. Veja algumas das recomendações das equipes do banco

Resumo do investidor

Por que isso importa: 1. Carteira é atualizada trimestralmente pelas equipes de análise de empresas e estratégia; 2. A recomendação é manter as empresas indicadas em fevereiro; 3. Objetivo é manter a exposição à retomada do crescimento econômico global.

B3; Bolsa; Bovespa; Painel; Investimento; Ações

Objetivo da carteira do BTG é encontrar e recomendar empresas que remuneram seus acionistas acima da média do mercado de forma recorrente

Foto de Vanessa Daraya da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Vanessa Daraya

Repórter da EXAME especializada em finanças e negócios. Jornalista formada pelo Mackenzie, com passagens pela Editora Abril e Grupo Globo.



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O BTG Pactual digital divulgou na segunda-feira, 3, a atualização da carteira trimestral de dividendos montada pelas equipes de análise de empresas e estratégia. O objetivo é encontrar e recomendar empresas que remuneram seus acionistas acima da média do mercado de forma recorrente.

Em abril, a carteira recomendada do BTG teve alta de 2,92%, ante 2,03% do Índice Dividendos (IDIV) e 1,94% do Ibovespa. Desde novembro de 2019, a carteira acumula rentabilidade de 14,8%, ante 9,5% do IDIV e 10,5% do Ibovespa.

Carteira de dividendos

Desta vez, as equipes optaram por manter as empresas que já estavam na carteira em fevereiro, quando trocaram a Telefônica Brasil (VIVT3) pela Vale (VALE3). O objetivo é manter a exposição à retomada do crescimento econômico global somada à forte dinâmica dos preços do minério de ferro, que gera um volume expressivo de caixa. A expectativa é a de um dividend yield (rendimento dos dividendos) de 11,2% para 2021.

A equipe de analistas do BTG destaca que a tragédia de Brumadinho fez com que a segurança das instalações e uma agenda ESG mais ampla tenham se tornado metas primordiais de longo prazo. “Estamos convencidos de que a Vale permanecerá altamente ‘amigável aos acionistas’ no futuro", dizem os analistas no relatório.

Além disso, a carteira continua com um portfólio diversificado, com empresas que são fortes geradores de caixa, como a Taesa (TAEE11), um dos maiores grupos de transmissão de energia do Brasil em Receita Anual Permitida (RAP). Os analistas destacam a forte eficiência operacional da companhia, que permitiu a distribuição de boa parcela dos lucros aos acionistas.

O payout (percentual do lucro líquido distribuído em forma de provento) é de cerca de 90%. Além disso, os analistas destacam que a Taesa deve manter seu nível de eficiência operacional pelo próximo trimestre. Há expectativa de um dividend yield de 12,3% para 2021.

 

Foto de Vanessa Daraya da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Vanessa Daraya

Repórter da EXAME especializada em finanças e negócios. Jornalista formada pelo Mackenzie, com passagens pela Editora Abril e Grupo Globo.


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame