ESG

A executiva que comanda R$ 300 bilhões em previdência privada no país

PUBLICADO EM: 2.4.21 | 8H00
ATUALIZAÇÃO: 1.4.21 | 19H44
Ângela Beatriz de Assis assumiu em novembro a presidência da Brasilprev e dá a sua visão para o efeito do aumento dos juros no segmento de previdência
Ângela-Beatriz-de-Assis-previdencia-ceo-brasilprev

Ângela Beatriz de Assis, presidente da Brasilprev desde novembro de 2020: é a primeira mulher a comandar a instituição líder do mercado de previdência privada no país (via Bloomberg)

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A taxa de juros historicamente baixa e as regras mais duras de aposentadoria no Brasil permitem que a Brasilprev amplie a captação de recursos mesmo com a volatilidade causada pela pandemia, diz Ângela Beatriz de Assis, primeira mulher presidente da empresa.

Sob o comando de Ângela desde novembro passado, a Brasilprev viu sua base crescer para 2,31 milhões de clientes em janeiro deste ano, 7,5% a mais do que no mesmo período do ano passado, enquanto os recursos administrados subiram 7%, para 312 bilhões de reais.

Para este ano, ela estima aumento entre 4% e 7% nas reservas de previdência. A companhia, que tem o Banco do Brasil (BBAS3) e a americana Principal como acionistas, possui 30% de participação no mercado de previdência privada, com mais de 300 bilhões em ativos sob gestão, segundo seu site. É a maior instituição do setor no país.

Ângela afirma que a volatilidade causada pela pandemia deve continuar e uma estabilização do mercado só virá com o avanço da vacinação.

Entretanto diz que a turbulência recente não mudou a tendência de busca pela aposentadoria privada, ampliada desde a aprovação da reforma da Previdência, em 2019, e o processo de queda dos juros no país.

Apesar de o Banco Central ter surpreendido com a elevação da Selic de 2% para 2,75% ao ano na reunião há duas semanas, historicamente a taxa ainda é “bastante baixa”.

“A recente elevação da taxa Selic não altera a nossa percepção sobre o crescimento da previdência privada”, afirma Ângela. “A queda do juro tem um papel muito relevante. O brasileiro estava muito acostumado a ter rentabilidade de dois dígitos com renda fixa”, diz a executiva, que atuou durante 28 anos no BB.

A presidente da Brasilprev diz que a estratégia de crescimento da empresa passa ainda pela educação financeira dos clientes, de maneira que os poupadores não saiam dos fundos em momentos de maior turbulência.

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame