ESG

A presença de gestoras mulheres estagnou no mundo e está longe do ideal

PUBLICADO EM: 15.5.21 | 6H38
ATUALIZAÇÃO: 15.5.21 | 6H41
As mulheres representavam globalmente cerca de 14% dos 25.000 gestores de portfólio que administravam fundos mútuos em 2020, números praticamente inalterados desde 2000

Resumo do investidor

As mulheres representavam globalmente cerca de 14% dos 25.000 gestores de portfólio que administravam fundos mútuos em 2020, números praticamente inalterados desde 2000

mulheres_fundos_wall_street

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 6MIN

mulheres_fundos_wall_street

Linda Chang começou a administrar dinheiro em 2003, quando as mulheres representavam apenas 14% dos gestores de portfólio nos EUA. De lá para cá, pouca coisa avançou (Christopher Goodney/Bloomberg/Getty Images)

Linda Zhang começou a administrar dinheiro em 2003. Na época, pouco mais de 1 em cada 10 gerentes de portfólio eram mulheres. Perto de duas décadas depois, esse número não mudou muito.

As mulheres representavam globalmente cerca de 14% dos 25.000 gestores de portfólio que administravam fundos mútuos e negociados em bolsa de renda fixa, ações e alocação de ativos em 31 de dezembro e esses números permanecem inalterados desde 2000, de acordo com a Morningstar Inc. Nos EUA, cerca de 11% são mulheres, uma parcela que se manteve constante na última década e caiu em relação aos 14% em 2000.

“Nosso setor não mudou muito”, diz Zhang, que achava que os números eram baixos em 2003. “Eu estava administrando um fundo mútuo de vários ativos em um momento e tinha mais de US$ 2 bilhões sob minha administração. Acabei de ver que havia muito poucas analistas mulheres e ainda menos gerentes de portfólio.”

Hoje, depois de uma carreira junto a gestores de ativos, incluindo a gigante BlackRock Inc. e MFS Investment Management, ela é a fundadora e CEO da própria empresa, a Purview Investments, com sede em Nova York.

As estatísticas não mudaram, apesar de anos de iniciativas para promover as mulheres em todos os setores. Nos últimos anos, mais mulheres estão aceitando empregos em pesquisas de investimento – caminho que normalmente leva à gestão de fundos – e algumas até conseguiram subir ao topo dos cargos executivos de seus negócios.

Equipes de gestão formadas por ambos os gêneros agora são comuns, e também respondem por quase 40% dos ativos administrados, como mostram os dados da Morningstar. Mas, gerente exclusivo de portfólio é um dos cargos mais importantes em Wall Street, e as pessoas que o ocupam são os principais tomadores de decisão na forma como o capital é alocado na economia. O  desequilíbrio persistente nessa função é gritante.

“Esperava-se que talvez todas as iniciativas postas em prática cinco ou seis anos atrás começassem a surtir algum efeito”, diz Madison Sargis, diretor associado da equipe de pesquisa quantitativa da Morningstar. “Estamos trabalhando para obter mais informações sobre a trajetória de carreira – de  analista a gestor de fundos – para vermos onde tudo está dando certo.”

Os esforços das empresas para aumentar a diversidade muitas vezes acabam reciclando e super utilizando ainda mais as poucas mulheres que entram no segmento. As mesmas gerentes estão sendo continuamente convocadas para administrar fundos, de uma forma que reflete as táticas das corporações que tentam diversificar suas diretorias por meio de um grupo limitado de executivos conhecidos. (Essa prática passou a ser conhecida como overboarding).

Nas categorias inferiores, as mulheres ainda enfrentam alguns obstáculos bem conhecidos. Normalmente, demora anos para subir na carreira até a posição de administrador de fundos, e contratempos são mais comuns para as mulheres, que podem necessitar de pausas para ter filhos. Também há muito direcionamento tendencioso neste setor diz Zhang. “As analistas são confiáveis ​​para fazer sugestões, mas não o suficiente para comandar o portfólio”, diz ela.

Quase sempre, as mulheres tomaram a dianteira ao entrar em áreas mais novas do setor. No entanto, esses ganhos podem não se manter quando um produto ou setor se destaca mais. Nos fundos de índice, a participação de gestoras exclusivas em todo o mundo caiu de 15,8% em 2000 para cerca de 14,7%.

Uma das histórias de sucesso mais conhecidas é a de Cathie Wood, da Ark Investment Management, que não apenas fundou a empresa, como também começou a construir um nicho dentro de um nicho. Seus fundos são ETFs, ou fundos negociados como ações, e embora os ativos em ETF dos EUA atualmente cheguem a US$ 6 trilhões, o setor não havia atingido US$ 1 trilhão até cerca de 2011.

Além do mais, os fundos da Ark são incomuns entre os ETFs porque Wood escolhe ativamente ações para a maioria deles, em vez dos índices de pesquisa. Mas a Ark não é mais um nicho: o principal fundo da Ark Innovation atingiu 149% no ano passado. Este fundo disparou de cerca de US$ 1.5 bilhão em ativos em março de 2020 para chegar a um pico de US$ 28 bilhões em fevereiro passado.

O maior fundo liderado por mulheres é o Vanguard Health Care Fund, com US$ 49 bilhões em ativos em 31 de dezembro. É administrado por Jean Hynes, da Wellington Management, gestora de ativos com sede em Boston que supervisiona mais de U$ 1 trilhão. Hynes foi contratada após a faculdade em 1991 pela Wellington como assistente administrativa e subiu como gerente de pesquisa e portfólio ao longo de três décadas. Ela irá assumir o cargo de CEO da empresa em 1º de julho próximo.

Hynes vê as coisas melhorando continuamente. “Durante os primeiros 20 anos, participei de reuniões e a maioria das pessoas eram homens, desde a gerência da empresa até analistas de vendas e analistas de compras”, diz Hynes. “Isso começou a mudar apenas cerca de 15 anos atrás, quando vimos mais mulheres em funções de pesquisa. Portanto, espero ver mais gerentes de portfólio do sexo feminino no futuro, mesmo que isso ainda não esteja aparecendo nos dados”.

Hynes credita seu sucesso ao veterano gerente de fundos de saúde da Wellington, Edward Owens, com quem ela trabalhou por 20 anos, sob sua orientação. Desde o primeiro dia na empresa, ela trabalhou em pesquisas de investimento e aprendeu modelagem financeira e outras habilidades.

Em 1999, teve a oportunidade de montar um portfólio de biotecnologia, enquanto estava grávida de gêmeos. Arriscar-se com uma mulher grávida de 30 anos “era muito incomum na época”, diz Hynes. É essa progressão – da pesquisa ao gerenciamento de portfólio – que muitas vezes parece ser o elo que faltava para as mulheres no setor.

Também pode haver um problema no início da carreira: uma percepção generalizada de que a gestão de ativos requer uma formação principalmente quantitativa. Entre os ingressantes na faculdade, os homens têm mais probabilidade do que as mulheres de se formarem em ciências, engenharia tecnológica ou matemática.

Mesmo assim, homens e mulheres com diplomas em artes liberais há muito têm sucesso na gestão de ativos. Tracy Chen, gerente de portfólio da Brandywine Global Investment Management, diz que as habilidades necessárias vão muito além de STEM ( Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática). “Investir é acertar em diferentes ciclos e compreender a natureza humana”, diz Chen, que tem MBA pela Universidade da Carolina do Norte e também Mestrado em Artes e Estudos Americanos. “O quadro geopolítico é sempre muito complexo, então também é necessária uma grande compreensão da história.”

Para ajudar mais mulheres a subir até o gerenciamento de portfólio, Hynes diz que o setor precisa de mais exemplos femininos. E deve haver um esforço bem planejado e deliberado para atrair as mulheres. “Tive uma carreira de sucesso, graças a uma grande empresa e um mentor, mas não foi proposital”, diz ela.  (Liz McCormick e Katherine Greifeld, da Bloomberg Businessweek)

Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME.

 

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

 

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame