Exame Invest
ESG

A Tesla jurou que teria carros elétricos populares. Mas ficou na promessa

PUBLICADO EM: 17.11.20 | 15H49
ATUALIZAÇÃO: 17.11.20 | 15H58
Empresa de Elon Musk deixará de vender o Model 3, seu carro mais barato, por US$ 35 mil. A transição para uma economia de baixo carbono terá de ser adiada
tesla-model 3-elon-nusk

A promessa de vender o Model 3 por 35 mil dólares não foi cumprida. Quem quiser comprar o carro, terá de gastar mais

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Há anos, motoristas do mundo inteiro aguardam ansiosamente pelo modelo popular da Tesla, a fabricante de veículos elétricos criada por Elon Musk. O carro chegou a ser lançado, batizado de Model 3. A promessa era de vender o veículo por 35 mil dólares, um valor não tão popular assim, mas que deveria cair conforme a demanda aumentasse e a linha de produção da companhia ganhasse eficiência. Era justamente aí que estava o problema. 

Nesta semana, os vendedores da Tesla foram informados que o Model 3 de 35 mil dólares não está mais disponível, segundo apurou o site Electrek, especializado em carros elétricos. A empresa já havia retirado o modelo mais barato do seu site, mas estava vendendo para quem ligasse ou fosse a uma loja e perguntasse sobre ele. Agora, não mais. 

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Research

O modelo popular da Tesla era a maior esperança de uma rápida massificação do carro elétrico, condição fundamental para a transição para uma economia de baixo carbono. Quanto mais carros elétricos estiverem rodando no mundo, maiores as chances de manter o aumento da temperatura global a menos de 2 graus Celsius, como determina o Acordo de Paris. 

 

A verdade é que Musk nunca cumpriu a promessa de vender o carro por 35 mil dólares. O valor só foi praticado por poucos meses. Em abril do ano passado, a montadora encerrou o projeto original do Model 3 e o substituiu por um novo -- que mais parecia uma das “atualizações” das montadoras brasileiras dos anos 1980: o mesmo carro com a lanterna ligeiramente diferente. O preço: 38 mil dólares. 

Para dar a impressão de que ainda estaria vendendo o modelo mais barato, a empresa lançou a versão Standard Range Plus do novo Model 3, que vinha sem algumas funcionalidades em troca de um desconto de 3 mil dólares. Na versão 2021 do Model 3, no entanto, esse downgrade não estará mais disponível. 

Entre o anúncio do Model 3, em 2016, e os dias de hoje, a Tesla enfrentou um “inferno industrial”, nas palavras de Musk. Diversos problemas de engenharia atrasaram a entrega de carros e tornaram a linha de produção mais cara do que o planejado. 

Apesar do contratempo com seu “popular”, a Tesla parece ter entrado nos eixos depois do inferno astral produtivo. No terceiro trimestre, a companhia conseguiu aumentar consideravelmente sua receita em relação ao ano passado e terminou o período com faturamento próximo de 8,8 bilhões de dólares. O lucro por ação ficou em 0,76 dólar por papel, acima da previsão de 0,55 dólar de analistas de Wall Street.

O sonho não acabou

O Model 3 pode ter sido abandonado, mas o sonho de ter um carro “para as massas” segue vivo na criativa cabeça de Musk. Sua próxima jogada é se aliar a quem mais entende de fabricar barato e em grandes quantidades: a China. Há um ano, a empresa inaugurou uma fábrica em Xangai, justamente para fabricar o Model 3. Musk, no entanto, já trabalha em um novo modelo popular. 

“É importante fazemos um carro acessível. Penso que não vamos ter sucesso em nosso objetivo se não tivermos um carro acessível. Uma das coisas que mais me incomodam no momento é que nossos carros não são acessíveis o bastante. E precisamos mudar isso”, disse Musk, ao anunciar os resultados da montadora no terceiro trimestre. 

O empreendedor, no entanto, não deu muitas pistas de como será o veículo. Disse somente que ter um modelo mais barato na linha da Tesla é um movimento já esperado, mas que ainda está longe de acontecer, uma vez que a companhia está focada em outros veículos, como o Model Y e o próprio Cybertruck.

“Não podemos comentar sobre nossa linha além do que já anunciamos. Queremos reservar isso para os lançamentos. Mas é razoável pensar que vamos produzir um carro compacto em algum momento e também que estudos construir um veículo um pouco maior. Isso tudo é provável em algum momento. Mas ainda estamos trabalhando com o Model 3, o Model Y e o Cybertruck. Então  vai levar algum tempo para termos essas novidades.” A promessa continua. 

As melhores oportunidades podem estar nas empresas que fazem a diferença no mundo. Veja como com a EXAME Research

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame