Biden aumentou sete vezes o preço do carbono. E isso é bom para o ambiente | Exame Invest
ESG

Biden aumentou sete vezes o preço do carbono. E isso é bom para o ambiente

PUBLICADO EM: 2.3.21 | 15H31
ATUALIZAÇÃO: 15.4.21 | 12H02
Como promessa de campanha, o presidente eleito afirmou que reajustaria os custos sociais do carbono; novo valor é de US$ 51 por tonelada

Joe Biden: preços do carbono na administração do democrata podem chegar US$ 125 por tonelada (REUTERS)

Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, definiu novas diretrizes ambientais como parte de seus esforços contra as mudanças climáticas. Na última semana, o governo americano estabeleceu novos preços para o carbono, jogando o custo da tonelada do componente para 51 dólares - valor sete vezes maior do que o praticado pela administração de Donald Trump, quando o preço social do carbono se aproximava dos 8 dólares por tonelada emitida na atmosfera.

Os custos foram estabelecidos por um grupo de trabalho formado pelos conselhos federais de consultores econômicos, qualidade ambiental e os departamentos de agricultura, energia, comércio, e transporte dos Estados Unidos, além do conselho econômico nacional, o escritório de gestão e orçamento e o escritório de ciência e tecnologia.


Recomendado para você

A princípio, o valor provisório de 51 dólares segue o decretado durante o governo de Barack Obama, cuja administração foi a primeira a calcular o valor conhecido como custo social do carbono. O grupo de trabalho deve emitir um preço fixo até janeiro de 2022 após uma nova leva de estudos, quando também irá publicar recomendações sobre a incorporação do valor nas decisões orçamentárias do governo. A expectativa é que, com as novas análises, o novo valor chegue aos 125 dólares por tonelada.

O custo social do carbono é um esforço para avaliar e quantificar os danos econômicos e sociais das emissões de gases de efeito estufa. Diferente de um imposto ou taxação, o custo social serve apenas como um parâmetro econômico para que agências federais incorporem o impacto ambiental nos cálculos ao analisar a viabilidade de projetos - como construções civis, por exemplo. A longo prazo, a cifra será incorporada aos cálculos do governo e Biden também prometeu uma gama de regulamentações para o assunto.

Com o custo social do carbono nas alturas, dar continuidade a projetos baseados em matrizes poluentes se tornaria muito mais difícil - para o governo e para as empresas privadas. Sob a ótica dos projetos federais, não seria tão simples aprovar um orçamento para construções no setor de combustíveis fósseis, por exemplo.

Já para as empresas, embora o custo social do carbono definido pelo governo não tenha efeito imediato, a atividade empresarial deve ser afetada pela influência das decisões federais em todos os setores da indústria, incluindo petróleo, aviação, construção civile manufatura.

 

Na esteira de decisões e análise dos impactos ambientais de grandes projetos, Biden revogou, em janeiro, a permissão para a construção do oleoduto Keystone XL, que liga o Canadá ao estado americano de Nebraska. Além do impacto a comunidades indígenas do entorno, um outro problema da construção do oleoduto está relacionado ao tipo de petróleo que ele carrega. Segundo o Greenpeace, esse tipo de exploração emite 30% mais carbono do que os poços convencionais de petróleo.

Mercado em alta

O mercado de carbono segue aquecido. Para os investidores, a boa notícia é que as apostas de que o preço do ativo subirá dobraram desde novembro, segundo o jornal The Washing Post. No mercado europeu, o volume de negociações de creditos de carbono no mercado regulado chegou a 229 bilhões de euros no ano passado — cinco vezes mais do que em 2017, segundo a consultoria Refinitiv.

O preço da tonelada de carbono no mercado regulado europeu, onde estão 90% das transações do mundo, vem batendo recorde atrás de recorde: hoje está em 33 euros, três vezes mais do que o valor cobrado em 2018.  Com o reajuste da meta climática da União Europeia para 55% de redução das emissões até 2030, analistas estimam que os preços subam ainda mais, para até 80 euros por tonelada.


Leia também

Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais