Exame Invest
ESG

China lança seu tão esperado mercado de carbono — o maior do mundo

PUBLICADO EM: 16.7.21 | 6H24
As negociações começaram às 9h30 de sexta-feira no horário local (22h30 de quinta, 15, em Brasília) na Bolsa de Energia e Meio Ambiente de Xangai
mercado_credito_carbono_china

O preço médio ficará em torno de US$ 4,60 este ano, muito abaixo dos US$ 49,40 na União Europeia, diz o banco chinês Citic Securities. A China ressalta, porém, que o mercado de carbono está apenas começando

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

A China lançou nesta sexta-feira (16) o maior mercado de carbono do mundo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa — informou a mídia estatal, um passo fundamental para alcançar a neutralidade de carbono do país mais poluidor do mundo até 2060.

As negociações começaram às 9h30 de sexta-feira no horário local (22h30 de quinta, 15, em Brasília) na Bolsa de Energia e Meio Ambiente de Xangai, afirmou a agência de notícias oficial Xinhua em um breve comunicado.

Consciente dos riscos ambientais e sociais postos pelo aquecimento global, a China, o maior investidor em novas energias, pretende ser um dos líderes mundiais no tema climático.

Com o compromisso de alcançar o pico de suas emissões de carbono em 2030, e a "neutralidade de carbono", em 2060, a China quer ser um ator importante na COP26, a cúpula climática da ONU que acontece em novembro, em Glasgow.

Este mercado de carbono permite que as autoridades provinciais estabeleçam cotas de emissão para usinas termelétricas e abrange 2.225 grandes geradores de energia que emitem 4 bilhões de toneladas por ano de gases que causam o aquecimento global, de acordo com a Xinhua.

Também permitirá que as empresas comprem "direitos poluentes" de outras entidades com menor pegada de carbono.

Restam dúvidas, porém, quanto à escala (reduzida, em comparação com o projeto inicial) e à eficiência do sistema (com um preço baixo atribuído à poluição).

A China anunciou planos para criar um mercado nacional de carbono há 10 anos, mas o progresso foi impedido pela indústria do carvão e pelo rápido desenvolvimento de políticas às custas do meio ambiente.

Preço baixo

O Citigroup estima que US$ 800 milhões em empréstimos serão adquiridos este ano, os quais deverão chegar a US$ 25 bilhões até o final da década.

Em valor comercial, o mercado de carbono chinês deve representar apenas um terço do da União Europeia (UE), atualmente o mais importante.

De acordo com a Xinhua, o mercado chinês já é "o maior do mundo" em termos de quantidade de emissões cobertas.

Originalmente, o mercado deveria ter um alcance muito mais amplo, abrangendo sete setores. Entre eles, aviação e petroquímica.

Mas o governo chinês "revisou para baixo suas ambições", considerando que o crescimento econômico era uma prioridade no contexto de recuperação pós-covid-19, afirma Lauri Myllyvirta, do Centro de Pesquisas em Energia e Ar Limpo (CREA).

O baixo preço da poluição preocupa os ambientalistas.

O preço médio ficará em torno de US$ 4,60 este ano, muito abaixo dos US$ 49,40 na União Europeia, diz o banco chinês Citic Securities.

A China ressalta, porém, que o mercado de carbono está apenas começando.

O programa será estendido aos produtores de cimento e alumínio a partir do próximo ano, disse Zhang Xiliang, criador do novo sistema, na semana passada.

"O objetivo é cobrir até 10.000 emissores, responsáveis por cerca de 5 bilhões de toneladas de emissões adicionais de carbono por ano", afirmou.

Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME.

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame