ESG

Com pico do petróleo no passado, Shell amplia meta de emissão zero até 2050

PUBLICADO EM: 11.2.21 | 16H32
Empresa atualizou sua estratégia de redução de emissões, desta vez incluindo a expansão em negócios de biocombustíveis e hidrogênio
shell

Shell: Empresa atualizou sua estratégia de redução de emissões, desta vez incluindo a expansão em negócios de biocombustíveis e hidrogênio (REUTERS)

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A gigante de energia Shell se comprometeu a eliminar emissões líquidas de carbono até 2050, em meta mais ambiciosa do que as divulgadas anteriormente, à medida que sua produção de petróleo recua em relação ao pico atingido em 2019.

A companhia anglo-holandesa está passando por sua maior reformulação até o momento, preparando-se para expandir seus negócios em energias renováveis e de baixo carbono, diante da crescente pressão de investidores do setor de óleo e gás em favor do combate às mudanças climáticas.

A Shell elaborou no ano passado um plano para chegar ao carbono zero líquido até 2050, em linha com o acordo climático de Paris e com as ambições da União Europeia, mas disse que a meta dependeria de seus clientes.

Nesta quinta-feira, em uma atualização da estratégia, a Shell divulgou planos para reduzir suas emissões por meio do rápido crescimento de seus negócios de baixo carbono, incluindo biocombustíveis e hidrogênio, embora os gastos devam seguir inclinados para petróleo e gás no futuro próximo.

"Usaremos nossos pontos fortes já estabelecidos para construir nosso portfólio competitivo enquanto realizamos a transição", disse em comunicado o CEO da Shell, Ben van Beurden.

Investidores reagiram positivamente à atualização das metas.

"A meta de carbono zero líquido da Shell é pioneira no setor e abrangente, pois cobre todas as suas emissões de carbono", disse Adam Matthews, diretor de Ética e Engajamento do Conselho de Pensões da Igreja da Inglaterra, que liderou o engajamento dos investidores junto à Shell.

Os acionistas ainda terão um voto consultivo sobre o plano de transição da Shell na assembleia geral deste ano, uma inovação no setor, acrescentou Matthews.

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame