Exame Invest
ESG

Como um filho de fazendeiro se tornou bilionário com energia eólica

PUBLICADO EM: 31.1.21 | 8H00
ATUALIZAÇÃO: 27.1.21 | 14H35
O sul-coreano Gim Seong-gon abandonou o setor de aço para se tornar proprietário da maior fabricante de torres eólicas do mundo e um dos homens mais ricos do país
reforma-tributária-verde

Energia eólica: proprietário da CS Wind é hoje a maior fabricante de torres eólicas do mundo (Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Gim Seong-gon administrava uma usina de aço no final da década de 1980 quando ficou fascinado pela energia eólica. O empresário sul-coreano enxergou potencial de crescimento nessa área e arregaçou as mangas.

Foi uma boa decisão. Após uma injeção de capital do Goldman Sachs Group, sua CS Wind se tornou a maior fabricante mundial de torres eólicas. As ações dispararam nos últimos quatro anos e a cotação quintuplicou apenas em 2020. A expectativa é de avanço ainda maior com a mudança de governo em Washington.

Aos 67 anos, este filho de um agricultor é hoje um dos indivíduos mais ricos da Coreia do Sul. A participação de 51% na empresa que ele controla junto com a família é avaliada em US$ 1,4 bilhão, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

“Gim foi ágil em identificar o potencial de crescimento global”, disse Han Byung-hwa, analista da Eugene Investment & Securities em Seul. “O setor teve crescimento mais rápido do que outros negócios tradicionais.”

Investimento do Goldman

Gim migrou para o ramo de energia renovável em 2003, quando montou a primeira fábrica de torres eólicas da CS Wind no Vietnã para aproveitar a mão de obra mais barata. Cinco anos depois, sua empresa recebeu um investimento de 47,2 bilhões de won (US$ 43 milhões) do Goldman Sachs que ajudou na expansão das operações para sete países.

A CS Wind hoje também opera fábricas na Malásia, China e Reino Unido e vende suas torres eólicas para clientes como Siemens Gamesa Renewable Energy, General Electric e Vestas Wind Systems. A companhia planeja construir fábricas nos EUA, onde o recém-eleito presidente Joe Biden se comprometeu a priorizar fornecedores com instalações locais.

“Administrar um negócio consiste em encontrar novos objetivos constantemente”, disse Gim, em entrevista a uma publicação interna em 2014. “Quando um objetivo é alcançado, é preciso ir para outro. Foi assim que gerenciei o negócio.”

Um porta-voz da empresa se recusou a comentar sobre a fortuna de Gim.

A migração para a energia não poluente ajudou a melhorar as perspectivas de companhias que fabricam veículos elétricos, baterias, painéis solares e afins. Os investimentos em tecnologias e projetos ligados à energia de baixo carbono mais que dobraram na última década para US$ 501,3 bilhões no ano passado, sendo dois terços na área de energia renovável, principalmente solar e eólica, de acordo com um relatório divulgado pela BloombergNEF este mês.

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame