Exame Invest
ESG

Dona da MAC e da Clinique cria divisão para monitorar promessa de diversidade

PUBLICADO EM: 7.3.21 | 9H02
A Estée Lauder está criando uma nova divisão para supervisionar uma longa lista de promessas de diversidade que a gigante dos cosméticos fez após as críticas dos funcionários no ano passado sobre as relações raciais
Esteé Lauder, diversidade

A Estée Lauder está criando uma nova divisão para supervisionar uma longa lista de promessas de diversidade que a gigante dos cosméticos fez após as críticas dos funcionários no ano passado sobre as relações raciais

Imagem da Editoria Exame Invest
Leo Branco

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A Estée Lauder está criando uma nova divisão para supervisionar uma longa lista de promessas de diversidade que a gigante dos cosméticos fez após as críticas dos funcionários no ano passado sobre as relações raciais.

O objetivo é garantir que a empresa cumpra esses compromissos, que incluem aumentar o número de trabalhadores negros para que alcancem a paridade da população em todos os níveis da empresa.

A vice-presidente sênior Nicole Monson, advogada trabalhista que trabalhou anteriormente no Goldman Sachs e na fabricante de equipamentos industriais Ingersoll Rand, supervisionará o esforço. A Estée Lauder tem mais de 25 marcas e empregava 48.000 funcionários no final do ano fiscal de 2020.

A indústria de cosméticos se viu no meio de um acerto de contas corporativo centrado na raça. Os ativistas focaram nas empresas de beleza por sua influência cultural, seu fracasso em atender clientes negros e a falta de oportunidade que ofereciam às minorias. Nos últimos dois meses, as varejistas Ulta Beauty e Sephora prometeram oferecer mais marcas de propriedade de negros e investir em treinamento anti-preconceito para os funcionários.

“Quando você olha para a quantidade de dinheiro que é gasta por pessoas negras no espaço de beleza, é como se dissessem ‘já chega’”, disse Monson, que está liderando o Centro de Excelência de Participação e Equidade da Lauder. O alvoroço do ano passado finalmente colocou luz sobre a questão, disse ela. “Não estávamos sendo vistos”.

Discussões internas na Estée Lauder, que possui marcas como Clinique e La Mer, começaram logo após os protestos contra a brutalidade policial eclodirem no ano passado.

Um grupo de funcionários enviou uma carta ao presidente William Lauder pedindo a destituição do membro do conselho e herdeiro da família Ronald Lauder sobre seu apoio ao ex-presidente Donald Trump e disse que seu empregador não estava fazendo o suficiente para os trabalhadores negros. Ele permanece no conselho.

Em resposta, William Lauder e o CEO Fabrizio Freda delinearam uma lista de etapas que a administração tomaria para diversificar a força de trabalho, incluindo o aumento da contratação de negros e a exigência de diversas listas de candidatos para cargos executivos.

O maior compromisso era aumentar o número de trabalhadores negros para que alcancem a paridade populacional até 2025, juntando-se a um impulso nascente de cotas raciais no mundo corporativo. Pelo menos meia dúzia de empresas adotaram tais requisitos em algum nível, incluindo Wells Fargo, Ralph Lauren e Delta Air Lines.

“Isto é um imperativo de negócios”, disse Monson. Reter uma força de trabalho diversificada “em última análise, impacta os resultados."

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Imagem da Editoria Exame Invest
Leo Branco

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame