Exame Invest
ESG

Em um ano, Netflix quer ir de menos poluente para neutra em carbono

PUBLICADO EM: 31.3.21 | 9H00
ATUALIZAÇÃO: 16.6.21 | 18H08
Empresa divulgou planos de redução das emissões, e a ambição é zerar poluição até o final de 2022
Netflix

Netflix: empresa quer se tornar neutra em carbono até o final de 2022 (Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A Netflix anunciou que pretende se tornar neutra em carbono até o final de 2022. Isso significa que a empresa quer não apenas reduzir suas emissões de gases do efeito estufa, mas também compensar todas as emissões de gases poluentes até a data.

Quer entender como as práticas ambientais, sociais e de governança trazem maior competitividade às companhias? Clique aqui

A meta faz parte do novo plano de sustentabilidade da empresa, batizado de Net Zero + Nature, divulgado na última terça-feira. Para atingir o objetivo, a Netflix começará pelas reduções dos escopos 1 e 2, ou seja, diminuindo as emissões internas das operações. O objetivo é reduzir as emissões em 45% até 2030.

Em um segundo momento, a empresa pretende compensar as emissões que não puder evitar. Para isso, investirá em projetos de proteção ambiental e reflorestamento.

 

A prática é comum entre as grandes empresas, especialmente as de tecnologia, que pretendem neutralizar o impacto de suas atuações através do pagamento por serviços ambientais e até mesmo créditos de carbono.

Para completar o ciclo da compensação, a Netflix irá também investir em tecnologias de remoção do carbono da atmosfera, como restauração de pastagens, solos e manguezais. “No final do ano de 2022, iremos incorporar investimentos na regeneração de ecossistemas naturais críticos para atingir o valor líquido zero”, afirmou a empresa em comunicado.

De acordo com a companhia de streaming, as metas foram definidas a partir da interação de mais de 60 especialistas e pesquisadores das áreas de recursos naturais e energias renováveis.

Junto do anúncio, a Netflix também divulgou sua pegada de carbono anual pela primeira vez. A empresa gerou cerca de 1,1 milhão de toneladas métricas de CO2 no ano passado, o equivalente às emissões anuais de cerca de 240 mil carros de passageiros.

Metade dessa pegada foi gerada pela produção física de filmes e séries e a outra parcela vem das operações corporativas nos escritórios (45%), e uma parcela menor (5%) vem dos provedores de nuvem que armazenam e distribuem conteúdo na rede em todo o mundo.

O cálculo ainda não contempla as emissões da rede de internet necessária para transmitir os programas e o acesso ao streaming pelos usuários. Para obter esses números, a empresa está se unindo à plataforma Dimpact, desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Bristol, na Inglaterra. Como uma espécie de calculadora, a Dimpact mostra as emissões relativas ao escopo 3 de empresas, ou seja, a poluição causada na ponta das operações — por fornecedores ou clientes.

De acordo com as projeções da Dimpact, assistir ao serviço de streaming durante 1 hora emite cerca de 100 gramas de carbono, a mesma quantidade emitida por um carro em um trajeto de meio quilômetro.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame