ESG

Empresa indiana planeja investir US$ 9 bi em energia renovável

PUBLICADO EM: 7.4.21 | 16H41
ATUALIZAÇÃO: 13.4.21 | 15H14
Até 2025, a ReNew Power irá investir em projetos eólicos e solares para aumentar esforços em energia limpa e redução de emissões

Energia limpa: empresa indiana irá investir US$ 9 bilhões em projetos solares e eólicos (Getty Images)

Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A ReNew Power, uma das maiores produtoras de energia renovável da Índia, planeja investir 9 bilhões de dólares em projetos eólicos e solares até 2025 em meio à iniciativa apoiada pelo governo para reduzir as emissões.

A empresa, que conta com Goldman Sachs e Canada Pension Plan Investment Board entre os investidores, pretende mais do que triplicar sua capacidade de energia renovável, para 18,5 gigawatts até 2025, disse o presidente do conselho, Sumant Sinha, em entrevista. A empresa com sede em Gurugram, na Índia, analisará o desenvolvimento de seus próprios projetos, bem como aquisições para o crescimento.

A Índia, terceiro maior emissor mundial de gases causadores de efeito estufa, visa reduzir sua dependência do carvão e expandir a capacidade de energia renovável quase cinco vezes, para 450 gigawatts até 2030, uma oportunidade de investimento de 20 bilhões de dólares por ano até o final da década, de acordo com o primeiro-ministro Narendra Modi. A ReNew se posiciona para desempenhar um papel central no amplo projeto de geração de energia verde do país.

Geração nova também é necessária à medida que milhões de famílias indianas aproveitam o aumento da renda para comprar veículos e eletrodomésticos, gerando crescimento anual de 5% da demanda por energia até 2040 no país, de acordo com a Agência Internacional de Energia.

“A meta de 450 gigawatts não é apenas algo bom de se ter”, disse Sinha. “É algo que inevitavelmente teremos de alcançar se quisermos atender nossa demanda por energia.”

A ReNew tem cerca de 5,4 gigawatts de usinas eólicas e solares operacionais, enquanto 4,5 gigawatts em projetos estão em desenvolvimento. A empresa fechou um acordo de fusão com empresa americana de cheque em branco RMG Acquisition Corp. II, o que permitirá ser negociada nos Estados Unidos com cerca de 610 milhões de dólares em caixa líquido.


Recomendado para você


Leia também

Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais