Exame Invest
ESG

Energia solar: setor firma parceria internacional para financiar projetos

PUBLICADO EM: 24.10.20 | 13H21
Associação que representa fornecedores assina memorando de entendimento com entidade ligada aos governos da Alemanha, do Reino Unido e dos Estados Unidos
enegia-solar-financiamento

Este ano, o Brasil entrou para o grupo dos 20 países com maior capacidade instalada de geração fotovoltaica após um forte crescimento da tecnologia puxado principalmente por instalações de menor porte

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) e a C40 Cities Finance Facility (CFF) firmaram um memorando de entendimento para financiar projetos de geração solar. A CFF é uma entidade formada pelos governos da Alemanha, dos Estados Unidos e do Reino Unido para auxiliar cidades do hemisfério sul a desenvolver projetos de energia limpa. Atualmente, a organização mantém projetos no Rio de Janeiro e em Curitiba

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Research

O foco da parceria é criar mecanismos para facilitar a adoção da energia solar em projetos públicos e privados. “Estamos muito motivados a cooperar no desenvolvimento de iniciativas para permitir que municípios, empresas e cidadãos usem essa tecnologia renovável”, afirmou Rodrigo Sauaia, presidente da Absolar. 

Um relatório da CFF aponta que a região menos ensolarada do Brasil possui uma irradiação solar de 4,25 kWh/(m².dia), valor 25% superior ao da região mais ensolarada da Alemanha (3,42 kWh/(m².dia). Este ano, o Brasil entrou para o grupo dos 20 países com maior capacidade instalada de geração fotovoltaica após um forte crescimento da tecnologia puxado principalmente por instalações de menor porte, como sistemas em telhados de residências e edifícios comerciais. Apesar disso, a energia solar corresponde a apenas 1,7% da matriz brasileira. 

Os projetos apoiados pela CFF no Rio e em Curitiba se referem à instalação de painéis solares em aterros sanitários desativados e em terminais de ônibus. Com a parceria, a Absolar espera levar projetos semelhantes para outros municípios.

Energia limpa e competitiva

As fontes de energia renovável se tornaram competitivas. Este ano, por sinal, é considerado um marco pelo setor por sinalizar a virada em termos de preço, ou seja, a geração limpa se tornou igual ou mais barata do que as fontes fósseis. Um relatório publicado pelo governo britânico, no entanto, oferece uma nova dimensão para essa conta. Ao considerar o custo “normalizado” da eletricidade, ao longo da vida útil de uma planta de energia, solar e eólica se mostram bem mais baratas do que se imaginava.

O estudo foi apresentado pelo Departamento de Estratégia Industrial e Negócios (BEIS), que faz projeções periódicas sobre o tema, e atualiza um trabalho publicado em 2016. Há quatro anos, as renováveis já apresentavam uma forte queda de custo, de 24%, em relação a 2013. Dessa vez, a queda é ainda maior: 47%, em comparação a 2016. Isso significa que, em 2025, uma fazenda eólica ou solar poderá gerar energia pela metade do custo de uma térmica a gás. 

Para chegar a essa conclusão, o governo britânico utiliza uma equação para “normalizar” o custo da energia, levando em consideração o valor médio por megawatt ao longo da vida útil de um projeto. Dessa forma, é possível comparar diferentes fontes, como as renováveis com as térmicas a gás e nucleares. O custo estimado para um parque de energia eólica que comece a operar em 2025 é de 46 libras por megawatt. Na previsão anterior, o valor era de 65 libras. Para uma fazenda solar de grande porte, o custo é um pouco mais baixo: 44 libras hoje, ante 67 libras no cálculo anterior. 

O BEIS também apresentou estimativas para usinas térmicas a gás e nucleares. No primeiro caso, o melhor resultado foi 85 libras e, no segundo, 102 libras por megawatt. Esses valores foram atualizados de acordo com a inflação pela Carbon Brief, publicação britânica especializada em energias limpas. 

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research 

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame