Esqueça as piscinas: painéis solares são o novo item de luxo em condomínios residenciais | Exame Invest
Exame Invest
ESG

Esqueça as piscinas: painéis solares são o novo item de luxo em condomínios residenciais

PUBLICADO EM: 11.3.21 | 14H17
ATUALIZAÇÃO: 11.3.21 | 16H11
Complexo residencial de 600 unidades em Utah (EUA) tem painéis solares na cobertura e baterias em todos os apartamentos como forma de acelerar a transição para uma energia mais limpa e renovável

Soleil Lofts, um complexo de apartamentos movido a energia solar em Herriman, Utah: energia solar coletada em Soleil Lofts é armazenada em baterias que podem ser utilizadas pela Rocky Mountain Power, a concessionária local (NYT)

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 5MIN

O Soleil Lofts, empreendimento de apartamentos no subúrbio de Salt Lake City, em Utah, oferece muitas comodidades — piscinas, três spas, quadra de basquete, eletrodomésticos, parque para cães — para atrair possíveis moradores.

Mas o recurso que selou o acordo para Maik Kannenberg, representante de vendas de uma empresa de tecnologia local, foi um dispositivo elegante e silencioso: uma bateria de armazenamento de energia.

A casa de Kannenberg, como todos os apartamentos do complexo de 156 milhões de dólares e 600 unidades, inclui uma nova bateria ecoLinx fabricada pela empresa alemã Sonnen. Carregada por meio de painéis solares no telhado, essas células, quase do tamanho de um aquecedor de água, formam coletivamente o que é chamado de usina elétrica virtual. O sistema não só fornece 12,6 megawatts-hora de complementação de energia para o edifício, como também faz melhor uso da energia renovável gerada no local. "Se eu puder oferecer uma pequena contribuição para fazer do mundo um lugar melhor e fazer de Utah um lugar mais limpo, ficarei feliz", disse Kannenberg, de 38 anos.


Recomendado para você

Os avanços no armazenamento de baterias e na tecnologia solar, e o desejo das distribuidoras de expandir a energia renovável, significam que as usinas virtuais estão rapidamente se tornando ferramentas valiosas para propriedades comerciais e residenciais. A demanda por sistemas de energia mais resilientes, recentemente destacada pela falha da rede elétrica do Texas e pelos apagões impostos na Califórnia para diminuir os riscos de incêndios florestais, também tornou essa tecnologia mais desejável.

As baterias têm aplicações comerciais para todos os tipos de edifício, incluindo os de muitos campi universitários e corporativos, de acordo com CR Herro, vice-presidente de inovação da construtora Meritage Homes. "Nos anos 1980, as pessoas instalavam energia solar porque se preocupavam em fazer a coisa certa. Agora, os sistemas solares e de baterias como o do Soleil equivalem a colocar um caixa eletrônico na sua cozinha que libera 20 dólares por mês."

Assim como cada vez mais motoristas optam por carros elétricos, os proprietários de imóveis estão vendo mais valor na geração e no armazenamento de energia, especialmente em locais onde dezenas de carros podem precisar ser carregados ao mesmo tempo.

Muitas empresas, especialmente no setor de energia, veem potencial nas usinas virtuais. A OhmConnect, startup da Califórnia, planeja construir um grande sistema com 100 milhões de dólares em financiamento da Sidewalk Infrastructure Partners (que tem a Alphabet, empresa mãe do Google, como maior parceira). A Swell Energy, em Los Angeles, arrecadou 450 milhões de dólares para usinas virtuais domésticas, com o objetivo de ajudar a rede.

Uma unidade de bateria ecoLinx instalada em um apartamento do Soleil Lofts, em Herriman, Utah (Lindsay D'Addato/The New York Times)

Em Utah, o Soleil Lofts assinou um acordo inédito com a distribuidora Rocky Mountain Power, que poderá usar as baterias como fonte de energia. O acordo visa a economia em custos de geração, ao mesmo tempo que ajuda o desenvolvedor a economizar dinheiro, de acordo com o Wasatch Group, desenvolvedor de Utah que construiu e hoje gerencia os apartamentos.

Os executivos da Wasatch veem a usina virtual como prova de que as baterias são um investimento inteligente para os proprietários. "A usina virtual garante um fluxo de renda e deixa o imóvel mais atraente para o aluguel. Uma das razões pelas quais buscamos energias renováveis e a solar é que isso reduz as despesas operacionais e aumenta o fluxo de caixa, um grande negócio para os proprietários", disse Ryan Peterson, presidente da Wasatch Guaranty Capital, unidade imobiliária e de investimentos da empresa.

O projeto do Soleil Lofts reúne várias tendências: a transição para uma energia mais limpa e renovável; a rápida redução do custo das baterias e do armazenamento de energia, que caiu quase 80% na última década, de acordo com o Boston Consulting Group; e um incentivo aos desenvolvedores para reduzir sua pegada ambiental.

"Estamos em um momento decisivo. Como os preços caíram bastante, especialmente para as baterias, espero que um número crescente de novas residências incorpore essas tecnologias. Construir usinas virtuais é a coisa mais barata e valiosa para o sistema de energia dos EUA", afirmou Mark Dyson, especialista em energia limpa da RMI, organização do Colorado focada em sustentabilidade.

O consumo de eletricidade em edifícios varia ao longo do dia. As energias renováveis e o armazenamento em baterias podem suavizar esse ciclo, estocando energia quando o uso é baixo e utilizando-a durante períodos de alta demanda, o que mantém os custos de eletricidade baixos.

"Há um grande valor nos edifícios que são eficientes em matéria de energia, produzindo energia renovável e armazenando-a para uso no momento certo", comentou Herro.

A Meritage tem sete projetos de demonstração em todos os EUA, incluindo o Arizona, a Califórnia, a Carolina do Norte e o Texas, buscando entender como os edifícios podem otimizar a rede elétrica e reduzir os custos com energia. Herro disse acreditar que mais distribuidoras logo adotariam tarifas de transferência de carga.

Para a Wasatch, o Soleil Lofts oferece benefícios financeiros e de marketing. Os possíveis inquilinos cortejados pelas credenciais verdes do complexo têm maior chance de alugar, e toda a estrutura tem custo de energia mais baixo ao longo do tempo. Segundo Peterson, o sistema de armazenamento de baterias compensa o custo da energia das áreas comuns.

A Wasatch planeja expandir o modelo Soleil. Seis programas piloto serão implantados em outras propriedades já existentes na Califórnia, tendo como objetivo verificar se edifícios mais antigos conseguem alcançar a mesma economia de energia e de custos. Por fim, Peterson quer oferecer uma solução completa, equipando todas as unidades com usinas virtuais. "Acreditamos que isso pode ser feito, e, uma vez que seja comprovado, um caminho muito maior para esse modelo vai se abrir." 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame