Exame Invest
ESG

Estudo quantifica custo financeiro a vítimas de abuso sexual

PUBLICADO EM: 22.7.21 | 11H11
ATUALIZAÇÃO: 22.7.21 | 11H39
As participantes do estudo vieram de várias indústrias. Quase todas disseram que perderam algum trabalho ou foram forçadas a deixar seus empregos. A maioria perdeu responsabilidades e sofreu retaliação por se manifestar
Violência; abuso sexual; estupro; assédio

Para uma mulher que trabalha em uma indústria de construção dominada por homens, o custo vitalício pode chegar a US$ 1,3 milhão, de acordo com o estudo (Getty Images/iStockphoto)

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Embora esteja claro há muito tempo que as vítimas de assédio sexual muitas vezes enfrentam retaliações que podem prejudicar suas carreiras, o custo financeiro tem sido difícil de quantificar.

  • Está na hora de sair do emprego ou vale a pena continuar? Invista na sua carreira. Assine a EXAME.

Um estudo publicado nesta quarta-feira pela Time’s Up e pelo Institute for Women’s Policy Research (IWPR), “Paying Today and Tomorrow”, tentou quantificar quanto as pessoas que sofreram assédio acabaram pagando.

As vítimas entrevistadas enfrentaram despesas de dezenas a centenas de milhares de dólares.

Para uma mulher que trabalha em uma indústria de construção dominada por homens, o custo vitalício pode chegar a 1,3 milhão de dólares, de acordo com o estudo. Até mesmo alguém forçado a deixar um emprego de baixa remuneração, como os que trabalham na indústria de fast food, tem um total de perdas financeiras de 125.600 dólares.

Os participantes do estudo vieram de várias indústrias. Quase todos disseram que perderam algum trabalho ou foram forçados a deixar seus empregos. A maioria perdeu responsabilidades e sofreu retaliação por se manifestar — recebendo avaliações de desempenho insatisfatórias ou bônus e promoções até serem expulsos ou demitidos. Alguns permaneceram desempregados por até cinco anos.

Quando o movimento #MeToo começou em 2018, “tínhamos todas essas mulheres compartilhando suas histórias,” disse C. Nicole Mason, presidente do IWPR. Mas “tínhamos muito poucas pesquisas ou dados sobre o que isso significa para a economia, segurança e mobilidade profissional das mulheres”.

Os dados podem ser difíceis de obter. Os acordos normalmente vêm com sigilo, e o governo não exige que as empresas informem se as mulheres estão saindo devido ao assédio. “Consideramos um encargo pessoal tentar quantificar isso”, disse Mason.

O investidor de agora precisa se preocupar com o mundo do futuro. Conheça o curso de ESG para investimentos do EXAME Academy

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame