Exame Invest
Carreira

Executivos precisam de saúde mental, não de coach, diz pioneira em coach

PUBLICADO EM: 4.11.20 | 7H00
ATUALIZAÇÃO: 5.11.20 | 13H45
Para Toya Lorch, que atua na área desde 1998, empresas terceirizam o cuidado com a saúde mental para não lidar com o problema. Essa não é a solução
saúde-mental-coach

O uso de coaching para resolver problemas psicológicos, como depressão, pode ser perigoso (Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Poucos problemas interferem tanto na produtividade de uma empresa quanto a saúde mental dos seus trabalhadores. Mesmo assim, essa questão sempre foi negligenciada pelo mundo corporativo. É raro uma companhia que adote a estratégia de criar um ambiente saudável psicologicamente, salvo as mais avançadas companhias nos critérios ESG (ambiental, social e governança, na sigla em inglês). 

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research

Recentemente, no entanto, e até pelo impacto que gera nas organizações, o tema vem ganhando certa evidência e está subindo na hierarquia empresarial. “Hoje, é um assunto de conselho”, afirma Toya Lorch, especialista em saúde mental, coach e fundadora da Get Ahead, consultoria que desenvolve estratégias para melhorar o ambiente de trabalho. “As empresas estão acordando para a necessidade de cuidar da cabeça das pessoas.” 

Lorch tem muita experiência no tema. Ela tem dois mestrados, um na França e outro na Inglaterra, e atua como coach desde 1998. Nessa profissão, foi coach interna da Unilever em Londres e faz parte do time de coaches internacionais da Insead, uma das mais importantes escolas de negócios do mundo, na França. Em sua visão, o papel desses profissionais, atualmente, está confuso. Há uma miscelânea de técnicas e conceitos utilizados sem critérios. 

“Tem coach de tudo hoje em dia: executivo, místico, quântico”, afirma. “Vejo muitos ex-executivos, que não entendem de psicologia, aplicarem as próprias receitas, como se fosse funcionar com todo mundo. Ao mesmo tempo, psicólogos sem nenhum conhecimento do mundo corporativo vendem a ideia de que alinhando os chacras tudo vai se resolver”. Para fazer um bom trabalho de coach, diz Lorch, é preciso entender das duas coisas e saber qual técnica se encaixa melhor com o profissional que se quer ajudar. Em casos extremos, pode ser até perigoso para uma pessoa em depressão, por exemplo, acabar na mão de um motivador sem conhecimento. 

(EXAME Research/Exame)

Em parte, a culpa por esse mal funcionamento atual da profissão é das empresas. Quando surgiram os primeiros coaches, há mais de 20 anos, muitas companhias perceberam que poderiam terceirizar um problema. Quando identificavam um comportamento inadequado, ou um ambiente pesado, mandavam o executivo em questão para o coach. Na realidade, diz Lorch, a questão deveria ser tratada de forma sistêmica. “Há essa ilusão de que resolvendo o problema de uma pessoa resolve os da organização inteira”, diz a especialista. 

A metodologia adotada por ela na Get Ahead, que fundou junto com a sócia Cintia Gonçalves, não tem nada de motivacional ou frases clichê. A ideia é desenvolver programas estruturados de saúde mental para organizações - com definições de metas e KPI's (indicador de desempenho) para obtenção de resultados. O trabalho é sistêmico e muito voltado para a construção de lideranças saudáveis. 

Ao mesmo tempo, as sócias buscam desmistificar a imagem das empresas como vilãs da saúde mental dos trabalhadores. “As organizações não são as grandes vilãs nem as pessoas são vítimas. A saúde mental é uma responsabilidade compartilhada”, diz Lorch. “ É possível fazer um paralelo com a saúde física. A empresa não tem como definir o que as pessoas vão comer para conter a obesidade, porém, é aconselhável que tenham políticas para incentivar uma vida mais saudável, como evitar reuniões na hora do almoço”. Afinal, pessoas saudáveis, física e mentalmente, trabalham melhor.

Mente em foco: investindo na sua saúde mental para alcançar seu potencial

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame