Exame Invest
ESG

Fome atinge 34 milhões de pessoas e ONU pede US$ 5 bi para evitar tragédia

PUBLICADO EM: 1.4.21 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 13.4.21 | 15H25
Pandemia agravou a situação em todo o mundo, inclusive na América Latina. Fechamento de escolas levou a um corte de quase 40 bilhões de merendas, afetando mais de 300 milhões de crianças
Criança comendo merenda escolar

Com o fechamento das escolas, 40% das merendas não foram servidas aos estudantes

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

O Programa Mundial de Alimentos da ONU (WFP, na sigla em inglês) faz um alerta: 34 milhões de pessoas correm o risco de morrer de fome no mundo. Para evitar uma tragédia ainda maior, o programa precisa de um financiamento adicional de 5,5 bilhões de dólares. O WFP, que recebeu o Prêmio Nobel da Paz no ano passado, publica hoje o seu relatório anual.

A falta de alimentos se agravou na pandemia. Na América Latina e no Caribe, o número de pessoas em situação de insegurança alimentar praticamente quadruplicou, de acordo com estimativas do WFP. A tragédia atinge quase 16 milhões de pessoas na região. A situação de fome, segundo o WFP, é determinada quando 20% dos lares enfrenta escassez de alimentos, 30% das crianças sofrem de mal nutrição e as mortes por inanição atingem 2 a cada 10 mil pessoas (insegurança alimentar é um estágio anterior ao da fome).

Veja exemplos práticos de como as empresas geram valor aos seus negócios com as normas do ESG.

Mesmo em países desenvolvidos, o acesso a alimentos tem sido dificultado pela falta de trabalho e dinheiro, especialmente entre os mais jovens. Na França, um quarto dos jovens adultos está, rotineiramente, pulando uma refeição por dia. Protestos de estudantes levaram o presidente francês, Emmanuel Macron, a anunciar um plano de socorro que inclui refeições a 1 euro em lanchonetes de universidades e ajuda financeira.

O fechamento de escolas por causa da pandemia é um dos motivos que levaram ao agravamento da situação. Em comunicado conjunto, a Unicef e o WFP informaram que cerca de 370 milhões de crianças deixaram de receber 40% das refeições que faziam nos colégios. Quase 40 bilhões de merendas foram cortadas em todo o mundo.

Guerras civis e outros conflitos, no entanto, seguem como os maiores causadores da fome aguda, quando há risco iminente de morte por falta de alimentos. Essas regiões, geralmente, não apresentam condições para o envio de ajuda humanitária. Iêmen, Sudão do Sul, Burkina Faso e a região noroeste da Nigéria são as mais complicadas, de acordo com o WFP. Na América do Sul, a Venezuela é apontada como o país mais fragilizado, e na América Central, o Haiti está na pior situação.

Assine a newsletter Exame.ESG e descubra como a sustentabilidade empresarial impacta diretamente a performance de seus investimentos

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame