Exame Invest
ESG

Grupo de investidores pressiona Exxon a zerar emissões até 2050

PUBLICADO EM: 22.2.21 | 17H51
ATUALIZAÇÃO: 22.2.21 | 17H52
Em resposta à carta pública do grupo Engine Nº 1, a empresa estabeleceu novas metas para cortar emissões e se comprometeu a gastar 3 bilhões de dólares na captura de carbono e outras tecnologias
Exxon-redução-carbono

Exxon: petroleira é pressionada por grupo de investidores a cortar emissões. (Bloomberg via Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A Exxon Mobil já elevou suas metas climáticas, com apenas três meses de campanha de um investidor ativista para provocar mudanças na empresa. Agora, a organização Engine Nº 1 pressiona a gigante de petróleo a estabelecer uma nova meta: emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050.

A Engine Nº 1 divulgou uma carta na segunda-feira, reiterando seu pedido para que a Exxon reformule seu conselho de diretores com a inclusão de quatro novos membros com experiência para conduzir a empresa em direção à neutralidade climática. Essa é uma meta já adotada por petroleiras europeias como BP, Royal Dutch Shell e Total. A Exxon e a rival Chevron têm resistido.

 

“Esta não é apenas uma questão climática, mas uma questão fundamental do investidor - não diferente da alocação de capital ou remuneração da gestão - dado o imenso risco para o modelo de negócios atual da Exxon Mobil em um mundo em rápida mudança”, escreveu a Engine Nº 1, com sede em São Francisco, em carta enviada à empresa. O grupo é apoiado pelo California State Teachers’ Retirement System, o segundo maior fundo de pensão dos Estados Unidos e com mais de 400 milhões de dólares em ações da Exxon. A Exxon não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

Este é mais um passo da campanha da Engine Nº 1 contra a Exxon, que começou em dezembro. Ao contrário dos esforços anteriores dos acionistas sobre questões climáticas, que se concentraram em fazer a empresa divulgar dados ambientais ou ser mais ambiciosa quanto ao corte de emissões, a Engine Nº 1 agora insiste que a mudança só acontecerá se o conselho incluir líderes com experiência na transição energética.

A Exxon atualmente não produz praticamente nenhuma energia renovável e, como a Bloomberg Green informou no ano passado, a empresa havia feito planos de longo prazo para expandir a produção de combustível fóssil e aumentar a produção de gases de efeito estufa.

Desde a carta inicial da Engine Nº 1, a Exxon estabeleceu uma nova meta para cortar emissões, divulgou pela primeira vez a magnitude das emissões de clientes que queimam combustíveis fósseis e se comprometeu a gastar 3 bilhões de dólares na captura de carbono e outras tecnologias. Em um sinal de que o impulso ativista pode trazer mais resultados, a Exxon estaria considerando a inclusão de um investidor focado em clima, Jeff Ubben, como novo membro do conselho.

“O que talvez seja mais surpreendente é que a Exxon realmente agiu com base na primeira carta da Engine Nº 1”, disse David Doherty, especialista em petróleo da BloombergNEF.

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame