Exame Invest
ESG

Líder em ESG entre as petroleiras, Total superou expectativas de analistas em 2020

PUBLICADO EM: 9.2.21 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 9.2.21 | 7H17
Empresa francesa possui diversas iniciativas voltadas à sustentabilidade e quer ser neutra em carbono até 2050

Total: petroleira francesa líder em ESG divulga resultados de 2020 (Reuters)

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A petroleira francesa Total anunciou na madrugada desta terça-feira, 9, um lucro líquido de 4 bilhões de dólares em 2020, superando a expectativa dos analistas, que era de 3,6 bilhões de dólares.

O bom resultado, contudo, representa uma queda de 66% no lucro em relação ao mesmo período de 2019, quando a petroleira lucrou 11 bilhões de dólares.

Assim como as concorrentes, a Total foi prejudicada ao longo do ano passado pelos efeitos da pandemia, que diminuíram o consumo global de gasolina e, consequentemente, os preços da matéria-prima.

Em boa medida o resultado menos grave do que o esperado se deve aos esforços da companhia para se tornar cada vez mais correta do ponto de vista ambiental, adotando a agenda ESG na esteira de uma demanda crescente por energias renováveis no mundo.

O grupo do qual a petroleira faz parte é o sexto maior explorador de petróleo e gás do mundo, e a empresa é a primeira representante francesa entre os líderes globais da indústria. Ainda que com essa atuação e exploração massiva, a Total é também uma das 10 empresas com maior peso no Índice de Sustentabilidade da Dow Jones, um dos principais indicadores ESG do mercado -  e do qual a Total tem presença registrada há 17 anos.

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research

A história petroleira francesa em território brasileiro também já é de longa data. Em 2013, a empresa comprou, em sociedade com a Petrobras e a britânica BP, cinco blocos de exploração de petróleo e gás na região da foz do Rio Amazonas. O projeto, no entanto, passou por altos e baixos, com impasses regulatórios e ambientais até que a empresa desistiu da exploração, em 2020.

A decisão também faz parte de um esforço global por um reposicionamento sustentável e adoção de práticas mais “verdes”. Hoje, a Total quer se posicionar como uma das líderes em energias renováveis, ao passo em que abandona, aos poucos, a exploração de petróleo em larga escala. A empresa anunciou que pretende ser neutra em carbono até 2050.

O desempenho da Total mostra que a economia verde é capaz de abocanhar boa parte investimentos das empresas, até mesmo de companhias e setores tradicionalmente poluentes. Um dos projetos limpos da Total prevê o investimento de 500 milhões de euros para a conversão de uma refinaria de petróleo na França para uma unidade de produção de biocombustíveis.

Neste ano, a Total se uniu à Engie em um acordo para projetar, construir e operar uma unidade de produção de hidrogênio na França, que será alimentada por energia solar e atenderá a todo o processo de produção de biocombustíveis da refinaria. Segundo a empresa, o projeto irá evitar a emissão de 15.000 toneladas de CO2 por ano.

A empresa também mira a mobilidade elétrica e tem feito aquisições de redes diferentes de recarga de veículos elétricos na Europa.

Ainda em 2021, a Total também anunciou a saída do principal lobby de petroleiras dos Estados Unidos, o Instituto Americano de Petróleo (API), após divergências sobre atuação das integrantes do grupo a respeito das mudanças climáticas.

Setor limpo

Junto às gigantes Shell e BP, a Total se comprometeu a eliminar as emissões de suas operações até a metade do século. As petroleiras europeias têm assumido a dianteira nos investimentos em energia limpa entre as empresas do setor, e hoje respondem por mais de 70% dos investimentos em fontes renováveis.

No entanto, um estudo da BloombergNEF mostra que a indústria do petróleo não tem gastado o suficiente para um futuro de baixo carbono, embora muitas empresas tenham colocado a descarbonização no centro de suas estratégias de longo prazo O setor cortou investimentos para 11,3 bilhões de dólares – o equivalente a 4,3% de seus orçamentos totais – em ativos e tecnologias de baixo carbono no ano passado.

O estudo destaca o enorme trabalho pela frente do setor, que está cada vez mais na mira de investidores e da sociedade para desempenhar um papel maior no combate às mudanças climáticas.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame