Exame Invest
ESG

Líderes da UE discutem clima, covid e Rússia nesta segunda em Bruxelas

PUBLICADO EM: 24.5.21 | 5H41
Encontro deve discutir proposta do governo alemão, divulgada no sábado,de criar um "clube do clima" no bloco para ajudar países a reduzir emissões de carbono
Marcha pelo clima em Berlim, Alemanha

Marcha pelo clima em Berlim, em 2016: no sábado, as autoridades da Alemanha divulgaram a intenção de que a União Européia crie um "clube do clima" com outros países como os Estados Unidos, Japão e até a China

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Líderes da União Europeia irão a Bruxelas nesta segunda-feira, 24, para um encontro especial do Conselho da UE, órgão máximo de deliberações do bloco econômico.

Na pauta estão temas variados, como a resposta do bloco à pandemia, a relação dos países da União Europeia com o Reino Unido pós-Brexit e com a Rússia, além da agenda de combate às mudanças climáticas.

A EXAME Academy lançou um curso sobre ESG – práticas ambientais, sociais e de governança. Conheça agora

Em dezembro de 2019, a União Europeia ratificou o objetivo de zerar as emissões de carbono de suas economias até 2050. No ano passado, o bloco concordou em chegar a 2030 com uma redução de ao menos 55% das emissões na comparação com o patamar de 1990.

Falta, agora, definir os passos para reduzir as emissões - e ajudar o resto do mundo a seguir na mesma toada.

No sábado, as autoridades da Alemanha divulgaram a intenção de que a União Européia crie um "clube do clima" com outros países como os Estados Unidos, Japão e possivelmente até a China para evitar atritos comerciais ligados a tarifas ambientais, como o anteriormente discutido "imposto de fronteira de carbono".

O vice-chanceler alemão e ministro das Finanças, Olaf Scholz, disse neste sábado, após conversas com o primeiro-ministro de Portugal Antonio Costa, atualmente na presidência rotativa da UE, que a Europa deve se envolver com outros países para chegar a um acordo sobre regras conjuntas e padrões comuns em prol da redução das emissões de carbono.

Scholz disse que as medidas de proteção climática terão impacto na competitividade das empresas alemãs e europeias, especialmente aquelas dos setores de uso intensivo de energia.

“Portanto, é sensato não discutir apenas como a União Europeia pode fazer isso e sim como poderíamos evitar as dificuldades em termos de competitividade no mercado global”, disse ele.

A UE deve abordar outros países como os Estados Unidos, Canadá, Grã-Bretanha, Japão e China para discutir e possivelmente chegar a acordo sobre as mesmas etapas e princípios.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

 

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame