Exame Invest
ESG

Maior fábrica de scooters elétricos mundial só emprega mulheres

PUBLICADO EM: 13.9.21 | 17H36
O negócio de mobilidade eletrônica é uma continuação da startup Ola, que deve fazer sua estreia ao público no próximo ano
Empresa Ola, se scooters

Apoiada pelo SoftBank Group e Tiger Global, Ola Electric pretende lançar uma scooter a cada dois segundos depois de completar uma expansão planejada no próximo ano (Bloomberg)

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Por: Saritha Rai

A nova fábrica de scooters elétricos da Ola Electric Mobility pretende construir 10 milhões de veículos de duas rodas por ano, ou 15% dos e-scooters do mundo até 2022, em uma operação dirigida e administrada inteiramente por mulheres.

Liderado por Bhavish Aggarwal, o negócio de mobilidade eletrônica é uma continuação da startup Ola, que deve fazer sua estreia ao público no próximo ano. A visão para seu mais novo empreendimento é fornecer ao mundo “mobilidade limpa, uma pegada de carbono negativa e uma força de trabalho inclusiva”, disse o fundador.

O primeiro grupo de trabalhadores começou esta semana na fábrica em Krishnagiri, a cerca de 2,5 horas a sudeste de Bangalore, que custará US$ 330 milhões para ser concluída. “Em plena capacidade, a Futurefactory vai empregar mais de 10.000 mulheres, tornando-a a maior fábrica só para mulheres do mundo e a única fábrica automotiva só com mulheres no mundo”, escreveu ele em um blog nesta segunda-feira.

Apoiada pelo SoftBank Group e Tiger Global, Ola Electric pretende lançar uma scooter a cada dois segundos depois de completar uma expansão planejada no próximo ano. A fábrica será substancialmente automatizada e incluirá 3.000 robôs trabalhando ao lado da força de trabalho feminina.

O objetivo de Aggarwal é eventualmente montar uma linha completa de veículos elétricos, incluindo veículos de três rodas e carros. A e-scooter S1 inaugural da Ola terá preço de 99.999 rúpias (US$ 1.360) para competir com as tradicionais motocicletas de duas rodas na Índia. As exportações devem começar ainda este ano.

“Oferecer oportunidades econômicas às mulheres melhora não apenas suas vidas, mas também a de suas famílias e, na verdade, de toda a comunidade”, disse Aggarwal. A participação das mulheres na indústria de manufatura local é de apenas 12% e “para que a Índia seja o centro manufatureiro do mundo, devemos priorizar a qualificação e a geração de empregos para nossa força de trabalho feminina”, disse o fundador no blog.

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame