A Unilever quer acabar com a discriminação contra cabelos afro | Exame Invest
Exame Invest
ESG

A Unilever quer acabar com a discriminação contra cabelos afro

PUBLICADO EM: 8.1.21 | 10H52
ATUALIZAÇÃO: 8.1.21 | 10H53
Empresa cria fundo na Inglaterra para apoiar organizações que promovem o orgulho negro. No Brasil, marca Seda organiza mentorias com jovens negras
cabelo - afro - racismo

Na Inglaterra, uma em cada cinco mulheres diz sentir pressão no trabalho para alisar os cabelos (Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 5MIN

O racismo estrutural assume diversas formas. Uma das mais enraizadas no mundo inteiro diz respeito aos cabelos. O padrão de beleza mais difundido pela indústria e pela mídia sempre foi o de cabelos lisos ou, no máximo, cacheados. Isso exclui os cabelos negros, mais enrolados. A pressão por se enquadrar no que é considerado fashion em termos de penteado deixou marcas profundas na comunidade negra, especialmente entre as mulheres.

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Research

O ator e comediante Chris Rock lançou, em 2009, o documentário "Good Hair", que mostra a cultura do alisamento de cabelos entre as mulheres negras americanas. De forma bem humorada e profunda, o filme mostra como mulheres chegam a assumir riscos de saúde em busca de um padrão irreal de penteado. Rock apresenta os efeitos do uso do hidróxido de sódio, mais conhecido como soda cáustica, para o relaxamento dos fios, prática que pode causar ferimentos graves. Ao final, o comediante apresenta sua filha com um belo penteado afro e diz: “ela não terá de passar por isso.”

Em busca de uma solução para o problema, a anglo-holandesa Unilever, uma das maiores empresas de bens de consumo do mundo, dona das marcas de shampoos Dove e Seda, entre outras, está apoiando iniciativas para acabar com a discriminação contra os cabelos negros e os penteados afro. Na Inglaterra, onde fica sua sede, a companhia acaba de lançar um fundo para apoiar iniciativas de orgulho negro, no valor de 170 mil libras, o equivalente a 1,2 milhão de reais.


Recomendado para você

O objetivo é aumentar a autoestima das meninas negras, para que elas se sintam seguras em mostrar sua verdadeira identidade e tenham orgulho de seus corpos e cabelos. Em dezembro, a empresa passou a apoiar oficialmente a campanha Halo Code, criada por uma organização britânica, que promove a aceitação dos penteados afro. Uma pesquisa realizada pela entidade aponta que uma em cada cinco mulheres negras britânicas diz sentir pressão no trabalho para alisar o cabelo.

A situação é pior entre os mais jovens. Quase 60% dos negros e negras pesquisados afirmam que foram xingados ou ganharam apelidos relacionados aos seus cabelos na escola, e 46% dos pais de alunos negros disseram que as escolas que seus filhos frequentam possuem políticas que penalizam os cabelos afro.

Assine a newsletter Exame.ESG e descubra como a sustentabilidade empresarial impacta diretamente a performance de seus investimentos

No Brasil, a companhia adota uma estratégia semelhante. Em janeiro e fevereiro desde ano, a marca Seda irá realizar uma série de mentorias com meninas negras. Serão disponibilizadas 2 mil vagas para os workshops, que serão realizados pelo Whatsapp. A iniciativa, batizada de Planejando Meus Sonhos, é feita em parceria com o Instituto Identidades do Brasil (ID_BR) e o Instituto Plano de Menina.

A indústria, no entanto, está demorando para acordar para as oportunidades de negócios entre a comunidade negra. Segundo o instituto de pesquisas Locomotiva, a população negra mundial consome, por ano, 1,5 trilhão de reais. Se formassem um país único, negros e negras estariam no G20 das economias globais. No Brasil, o consumo das favelas, de população majoritariamente negra ou parda, é de 150 bilhões de reais por ano. É mais do que países como o Paraguai e a Bolívia.

    

                

                    

                         

                        

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

                        

                        

                            

                            

                            

                            

                            

                            

                            

                            

                            

                            

                            

 

                        

                        Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

                


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame