Exame Invest
ESG

O preço do óleo de cozinha dispara por causa dos automóveis. Entenda

PUBLICADO EM: 24.10.20 | 9H24
As refinarias europeias estão usando óleo para produzir combustível. Enquanto o preço do petróleo caiu 30%, o insumo culinário teve uma alta de 15%
óleo-cozinha-preço

O óleo de cozinha usado ajuda a indústria a cumprir as metas europeias de combustíveis renováveis (Getty Images/EyeEm)

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O óleo que sobrou do jantar está se tornando uma commodity atrativa para a indústria de refino europeia que busca combater sua pegada de carbono.

As refinarias do continente estão cada vez mais se voltando para o óleo de cozinha usado, ou UCO em inglês, como uma forma de produzir combustível rodiviário a fim de limitar suas emissões de carbono. Em Roterdã, os preços estão cerca de 15% mais altos do que há um ano, segundo dados da SCB Brokers, especializada na commodity. Em contraste, o petróleo Brent caiu cerca de 30% no mesmo período.

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research

A força relativa do UCO, negociado mais de duas vezes o preço do petróleo devido aos incentivos do governo para usá-lo, reflete a oferta limitada e a forte demanda, de acordo com a Neste Oyj da Finlândia, que se tornou líder de mercado em diesel renovável. Outras refinarias da região, como a PKN Orlen da Polônia estão explorando o mercado. O interesse crescente coincidiu com a interrupção na disponibilização dos restaurantes, especialmente da China, que é o maior fornecedor externo da Europa.

“Os mercados de resíduos e lixo devem permanecer apertados”, disse a Neste. “Embora a disponibilidade global tenha se recuperado gradualmente, sua demanda continua sólida.”

O óleo de cozinha usado ajuda a indústria a cumprir as metas europeias de combustíveis renováveis. O benefício ambiental que o UCO oferece expressa o motivo pelo qual a UE deu a ele um peso maior em comparação com outras matérias-primas, algo que é conhecido como contagem dupla.

“A perspectiva de longo prazo para o óleo de cozinha usado é extremamente positiva, já que os países membros da UE buscam reduzir o uso de biocombustíveis em favor dos combustíveis derivados de resíduos”, disse Luke Watts, da SCB Brokers.
A meta atual da Europa é que 10% do combustível rodoviário por conteúdo de energia da região venha de fontes renováveis, incluindo biocombustíveis, de acordo com o Fuels Europe, grupo que representa as refinarias da região. Atualmente, não há limite de quanto UCO pode ser usado para cumprir essa meta. E tudo isso pode ser contado duas vezes, para que os produtores atinjam o nível de 10% com apenas 5% de óleo de cozinha usado. Essas regras vão mudar em breve.

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Research

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame