ESG

ONU lança relatório que mostra os efeitos socioeconômicos da pandemia

PUBLICADO EM: 25.3.21 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 13.4.21 | 17H29
Documento aponta que há risco de aumento severo da desigualdade, com alguns países se recuperando através de estímulos, e outros afundando na pobreza
The United Nations building is pictured in New York

Sede da ONU em Nova York: entidade aponta que 114 milhões de postos de trabalho foram perdidos durante a pandemia e há risco de aumento na desigualdade (REUTERS)

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

A Organização das Nações Unidas (ONU) lança nesta quinta-feira o relatório Financing For Sustainable Development, documento produzido por uma força-tarefa interna cujo objetivo é dar as diretrizes para o financiamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Será o segundo relatórios do tipo publicado durante a pandemia.

O documento trará detalhes sobre os efeitos sociais e econômicos após um ano de pandemia. A parada do comércio global e a crise econômica decorrente prejudicou o desenvolvimento dos ODS. “A economia global vivenciou a pior recessão em 90 anos, com os segmentos da sociedade mais vulneráveis sendo afetados desproporcionalmente”, aponta o rascunho do relatório, que já foi divulgado. “Entre 80 a 90 milhões de pessoas voltaram para a extrema pobreza.”

Quer entender como as práticas ambientais, sociais e de governança garantem solidez às companhias? Clique aqui

A preocupação com a forma como se dará a recuperação econômica pós-covid tem sido um tema recorrente este ano. No Fórum Econômico Mundial, realizado virtualmente em janeiro, teve como tema principal a retomada verde, em que os esforços de investimento para os próximos anos estariam concentrados em áreas que promovem a transição para uma economia de baixo carbono, em especial o setor de energias limpas.

Em seu relatório de riscos globais, divulgado anualmente, o Fórum aponta que a pandemia está criando uma “geração desiludida”. “Jovens adultos estão enfrentando a sua segunda crise econômica mundial”, aponta o documento. “Já expostos à degradação ambiental, às consequências da crise financeira, aumento da desigualdade e rupturas geradas pela transformação industrial, essa geração enfrenta sérios desafios de educação, perspectiva financeira e saúde mental.”

A ONU ainda aponta que 114 milhões de postos de trabalho foram perdidos durante a pandemia, apesar de planos de incentivos fiscais que chegaram a 14 bilhões de dólares, ainda que mal distribuídos. “Há um grande perigo de um mundo ainda mais dividido, com um grupo de países se recuperando apoiado por medidas de estímulo, e muitos outros se afundando em um ciclo de pobreza, fome e austeridade insustentável”, diz a entidade. “Evitar esse cenário precisa ser a prioridade dos esforços de recuperação global.”

Assine a newsletter Exame.ESG e descubra como a sustentabilidade empresarial impacta diretamente a performance de seus investimentos

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame