Exame Invest
ESG

Organizadores da Conferência do Clima querem evitar impasses em negociações via Zoom

PUBLICADO EM: 11.2.21 | 8H43
Organizadores da COP26, marcada para novembro na Escócia, começam a lidar com a possibilidade de terem que realizar todas ou algumas das sessões online se a pandemia de coronavírus não for controlada
COP24_clima_aquecimento_onu_zoom

Imagem da Editoria Exame Invest
Leo Branco

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O acordo para limitar o aquecimento global não poderia ter acontecido sem uma monótona sala de reuniões. Foi em dezembro de 1997 quando autoridades dos Estados Unidos, União Europeia e Japão passaram 36 horas amontoados em uma sala do Kyoto International Conference Hall.

Quando os diplomatas finalmente saíram, tinham a base do primeiro acordo do mundo para combater a mudança climática. “Foi uma sessão de negociação muito dura”, disse Alden Meyer, especialista do think tank E3G que acompanha as negociações climáticas das Nações Unidas por mais de 20 anos.

O documento produzido em uma sala de conferências de Kyoto abriu caminho para o marco do Acordo de Paris quase duas décadas depois.

As negociações na importante reunião deste ano, a COP26, provavelmente serão igualmente pesadas, e com a possibilidade de serem realizadas via Microsoft Teams. Organizadores do evento começam a lidar com a possibilidade de terem que realizar todas ou algumas das sessões online se a pandemia de coronavírus não for controlada antes da conferência marcada para novembro em Glasgow, Escócia.

As negociações da maratona se tornaram marca registrada das negociações anuais sobre o clima. Nenhuma cúpula nos últimos anos terminou a tempo, já que os países varam a noite e tentam chegar a um acordo sobre questões espinhosas, como contribuições financeiras. Em Kyoto, os negociadores só terminaram quando uma exposição de lingeries começou a ser montada no local.

“Realmente espero que não precise ser virtual”, disse Anne-Marie Trevelyan, ministra do Reino Unido encarregada das questões de adaptação climática na COP26. “O poder de ter pessoas juntas em uma sala é indiscutível quando você tenta negociar a partir de muitas posições diferentes.”

A reunião deveria ter sido realizada no ano passado e já foi adiada uma vez por causa da pandemia. O governo do Reino Unido, que organiza o evento, diz que está fazendo todo o possível para garantir que isso não aconteça novamente e que os 197 países envolvidos possam se reunir pessoalmente para acertar os detalhes finais do Acordo de Paris.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Imagem da Editoria Exame Invest
Leo Branco

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame