Exame Invest
ESG

Petroleiras e mineradoras estão distantes de metas do Acordo de Paris

PUBLICADO EM: 14.10.20 | 12H00
ATUALIZAÇÃO: 14.10.20 | 21H58
Empresas estão sob pressão crescente de grupos ambientais e investidores para demonstrar como modelos de negócios se alinham com o acordo de Paris, de 2015
petróleo_mineradora_gas_natural_acordo_paris

Extração de petróleo: apenas sete das 59 empresas estudadas - Royal Dutch Shell, Repsol, Total, Eni, Glencore, Anglo American e Equinor - estabeleceram metas de redução de emissões de acordo com as promessas feitas no Acordo de Paris

Imagem da Editoria Exame Invest
Leo Branco

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Nenhuma das maiores empresas de petróleo, gás e carvão da Europa está a caminho de limitar o aquecimento global a 2 graus Celsius, de acordo com relatório de gestores de ativos que administram mais de US$ 22 trilhões.

Empresas de energia e mineração estão sob pressão crescente, tanto de grupos ambientais quanto de seus próprios investidores, para demonstrar como seus modelos de negócios se alinham com o acordo climático de Paris e mostrar que têm tomado medidas para reduzir emissões.

Apenas sete das 59 empresas estudadas - Royal Dutch Shell, Repsol, Total, Eni, Glencore, Anglo American e Equinor - estabeleceram metas de redução de emissões de acordo com as promessas feitas no Acordo de Paris, de acordo com relatório da Transition Pathway Initiative (TPI).

A TPI é um programa global com sede na London School of Economics, que avalia os riscos climáticos e a preparação das empresas para uma economia de baixo carbono.

No entanto, mesmo as chamadas promessas do Acordo de Paris ainda deixarão o mundo no caminho de 3,2 graus Celsius de aquecimento, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

bloomberg_petroleira_mineradora

As promessas de redução de emissões das empresas europeias de petróleo e gás estão abaixo das metas do Acordo de Paris (Reprodução/Reprodução)

Apenas três empresas de petróleo e gás estudadas - Shell, Total e Eni - se aproximam de uma trajetória de 2 graus Celsius “mas ainda precisam de mais medidas para serem avaliadas para se alinhar com essa referência”, disse a TPI em comunicado.

“Precisamos examinar os detalhes desse relatório, mas estamos satisfeitos que a TPI reconheça a natureza líder de nossa ambição e que estejamos alinhados com as promessas de redução de emissões do Acordo de Paris”, disse uma porta-voz da Shell.

As emissões da britânica BP devem diminuir continuamente nas próximas três décadas. No entanto, ainda devem permanecer acima do necessário para cumprir o Acordo de Paris. A BP disse que não viu o relatório completo e não sabia se a análise da TPI refletia sua nova estratégia anunciada em agosto e setembro. A BP pretende eliminar todas as emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050.

A Glencore não quis comentar o relatório. A empresa disse em fevereiro que cortaria as chamadas emissões de escopo 3 - aquelas geradas por seus consumidores - em 30% nos próximos 15 anos. A Anglo American disse que está comprometida em responder às mudanças climáticas e que pretende ser neutra em carbono em suas operações até 2040.

A Equinor anunciou neste ano que eliminaria as emissões de suas operações globais até 2030 e reduziria a intensidade de carbono de seus produtos em pelo menos metade até 2050. “Acreditamos que as medidas demonstram que nossa empresa está agindo de acordo com as ambições de Paris e nossos planos são mais ambiciosos do que na maioria das jurisdições”, disse um porta-voz da Equinor.

A Repsol disse que está firmemente empenhada em se tornar uma “empresa com emissões líquidas zero” e que “continuará a se envolver com a TPI para demonstrar nosso progresso a este respeito”.

“Estamos satisfeitos em ver que a TPI, em seu relatório mais recente, deu à Eni uma avaliação de alto nível”, disse um porta-voz da Eni.

A Total disse que apoia as metas do Acordo de Paris e que sua ambição é ser neutra em carbono até 2050. A empresa de energia francesa afirma que já reduziu a intensidade média de carbono dos produtos de energia que vende em 6% desde 2015.

Imagem da Editoria Exame Invest
Leo Branco

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame