Exame Invest
ESG

Presença feminina nos conselhos cresce, mas igualdade ainda está a vinte anos de distância

PUBLICADO EM: 9.3.21 | 8H00
ATUALIZAÇÃO: 9.3.21 | 13H23
De acordo com relatório da Teva Índices, país está a duas décadas de alcançar igualdade de gênero em conselhos; veja ranking com as 10 empresas mais diversas
Flavia Bittencourt - CEO da AdidasFoto: Leandro Fonsecadata: 08/06/2020

Flavia Bittencourt, CEO da Adidas: executiva é também conselheira da TIM Brasil, uma das 10 empresas com maior igualdade de gênero, segundo a Teva índices (Leandro Fonseca)

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Quase metade das empresas listadas na B3, bolsa de valores brasileira, não têm nenhuma mulher no conselho de administração. Se a barra subir para duas ou mais mulheres, o número de empresas sem representação feminina é de 81%. As conclusões são do levantamento “ESG Mulheres na Liderança”, da Teva Índices.

Das 283 empresas analisadas pelo estudo, 43,5%, ou 123, não têm nenhuma mulher no conselho de administração. Foram consideradas para o estudo apenas as empresas que enviaram relatórios de governança nos últimos 24 meses e com capitalização de mercado igual ou superior a 300 milhões de reais.

A representatividade feminina em conselhos cresceu cerca de 1,8% nos últimos três anos. No entanto, a lentidão no avanço do tema deixa a igualdade de gênero distante de ser uma realidade no Brasil. De acordo com o relatório, se mantiver o ritmo atual, o país levará duas décadas para que todas as empresas tenham a distribuição igual entre homens e mulheres na liderança.

Uma jornada igualitária no varejo

De acordo com o estudo, as empresas brasileiras de capital aberto que possuem a maior representatividade feminina nos conselhos são, nesta ordem: Banco BMG, Magazine Luiza, Mills, Santander, Copel, Pague Menos, TIM, TOTVS, Porto Seguro e Petz. O ranking tem como referência o terceiro trimestre de 2020.

Segunda melhor colocada na classificação, o Magazine Luiza tem três integrantes femininas em seu conselho administrativo de sete pessoas: Luiza Helena Trajano, Betânia Tanure, e Inês Corrêa de Souza, especialista em finanças e ex-diretora financeira da Vale.

A empresa tem metas ambiciosas quando se fala em equidade de gênero. O panorama atual é de 15% da diretoria composta por mulheres. A maior porcentagem feminina, porém, está entre os trainees e na linha de produção: 50% e 46,9%, respectivamente. Parte do mérito se deve aos programas com foco em diversidade da empresa que recrutam estudantes recém-formados.

Para a empresa, a pluralidade no conselho é primordial para obter um “olhar completo da companhia e do mercado e mais sofisticada governança corporativa”, pois a diversidade é determinante na hora de “estabelecer as diretrizes do negócio, eleger os membros da diretoria executiva, definir suas atribuições e fiscalizar seu desempenho”, afirmou a Magalu em seu relatório anual.

"O que todas as pesquisas mostram, nossa experiência revela, é que a diversidade nas suas mais diferentes perspectivas, contribui de maneira significativa para a performance das organizações, especialmente quando se fala em processos de inovação, tão fundamentais nesse mundo atual", afirma Betânia Tanure, conselheira do Magalu. "O Conselho do Magalu e contando com todo seu propósito, seus valores e o desempenho da organização pode ser uma inspiração para outras empresas", diz.

Outro exemplo de diversidade de gênero no alto escalão está no setor de telecomunicações. A TIM está entre as dez empresas listadas pelo ranking da Teva Índices com o maior percentual de mulheres no conselho de administração. Na companhia as mulheres têm 30% dos assentos. Um deles é ocupado por Flavia Bittencourt, conselheira de administração.

Bittencourt é também conselheira na empresa do setor de alimentação BRF e tem passagem pela Marisa. Ela conta que as três companhias não tinham mulheres na liderança até pouco tempo atrás, mas isso vem sendo transformado nos últimos anos. "A direção agora é muito clara: ao procurar novos profissionais, empresas estão olhando para competências e chamando mulheres para participarem dos processos de seleção como um esforço de poder também ouvi-las mais”, diz.

A executiva é também presidente da Adidas no Brasil. Na marca de artigos esportivos, a discussão de diversidade se desdobrou em programas de capacitação de mulheres que desejam ocupar cargos de liderança. Preparar mulheres e deixá-las “prontas para a cadeira” é uma ação inerente a empresas que desejam ser mais diversas, segundo a conselheira. A empresa tem hoje 35% das posições de liderança ocupadas por mulheres globalmente. No Brasil, a média é de 44%.

Já a TIM tem uma diretoria de diversidade responsável por fomentar projetos da base até o alto escalão. Na empresa, há o consenso entre a liderança feminina de que há um trabalho de base a ser feito. A diretora de tecnologia da TIM, Auana Mattar, garante que “ser diversa faz parte do DNA da empresa".

O grande desafio, segundo Mattar, é conseguir elevar o discurso para atrair talentos. “A formação de líderes femininas vem desde a educação. Nosso desafio será fazer com que nosso discurso atraia essas pessoas e elas cheguem até a TIM”. A TIM tem como meta aumentar para 35% o número de mulheres em cargos de chefia na companhia até 2023.

A meta é ambiciosa e exigirá um esforço extra das empresas. “A barra está e sempre esteve mais acima para as mulheres. Mas o que está em jogo vai depender das companhias serem capazes de ceder, filtrar com excelência e saber ter diferentes vozes nos conselhos”, diz Bittencourt.

 

Auana Mattar,CIO da TIM Brasil

Auana Mattar, CIO da TIM Brasil (TIM/Divulgação)

A busca por uma participação feminina cada vez maior nos conselhos é um caminho sem volta, segundo Bittencourt. "Empresas buscam por diferentes pontos de vista para questões estratégicas e por pessoas que se preocupem também com pessoas, e não apenas por números - e esse é um valor muito comum às mulheres”, diz.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame