Reino Unido faz série de eventos preparatórios para a Conferência do Clima | Exame Invest
Exame Invest
ESG

Reino Unido faz série de eventos preparatórios para a Conferência do Clima

PUBLICADO EM: 31.3.21 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 13.4.21 | 15H27
Governo de Boris Johnson pretende utilizar a COP26, em que serão regulamentados os últimos artigos do Acordo de Paris, para se firmar como uma liderança verde
O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Boris Johnson, participa do evento VJ Day National Remembrance, realizado no National Memorial Arboretum em Staffordshire, Grã-Bretanha em 15 de agosto de 2020. Anthony Devlin / Pool via REUTERS

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, pretende usar a COP para posicionar o Reino Unido como uma liderança verde (REUTERS)

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

O governo do Reino Unido inicia, nesta quarta-feira, 31, uma série de eventos preparatórios para a 26ª Conferência do Clima da ONU (COP26), que será realizada em Glasgow, na Escócia, em dezembro. A conferência está sendo considerada a COP mais decisiva da história. Há a expectativa de, finalmente, regulamentar o Artigo 6 do Acordo de Paris, que trata da criação de um mercado global de carbono.

Para o governo do primeiro-ministro Boris Johnson, a COP26 representa uma oportunidade de se firmar como uma liderança verde no mundo após o Brexit. Atualmente, a União Europeia é considerado o bloco econômico mais avançado no que se refere à transição para a economia de baixo carbono. Fora da UE, a Inglaterra tem interesse em atrair investimentos nessa área.

Quer aprender mais sobre ESG? Conheça o novo curso da Exame Academy

A COP26 é aguardada por diversos motivos. A conferência deveria ter sido realizada em dezembro do ano passado, mas foi adiada por conta da pandemia. O evento marca o retorno dos Estados Unidos a um lugar de protagonismo nas discussões climáticas, já que o país esteve ausente dos debates nas últimas três COPs, realizadas durante a presidência de Donald Trump.

Uma das primeiras ações tomadas por Joe Biden na Casa Branca foi retornar o país ao Acordo de Paris, que tinha sido abandonado por Trump. Por conta do adiamento da COP26, os americanos acabaram não ficando de fora de nenhuma conferência. Na COP25, no entanto, a presença da maior economia do mundo foi mais sentida pela participação de rivais de Trump, como o ex-prefeito de Nova York e ex-candidato à presidência Michael Bloomberg.

A China também deverá desempenhar um papel mais relevante na conferência. No final do ano passado, o líder chinês Xi Jinping anunciou uma ousada meta de zerar as emissões do gigante asiático em 30 anos. A promessa colocou a Europa sob pressão, pois a ambição chinesa, de certa forma, ofuscou os esforços do velho continente em tornar sua economia mais limpa por meio do Green Deal, plano de recuperação econômica pós-pandemia baseada na economia de baixo carbono.

Já o Brasil, que sequer montou um estande na COP25, como era de costume, e levou uma delegação bastante reduzida formada apenas pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e alguns assessores, tem até o final do ano para reverter a imagem de inimigo do meio ambiente conquistada graças ao aumento do desmatamento na Amazônia. O país ocupava uma posição de liderança nas negociações do Acordo de Paris, porém, abriu mão dela na última COP.

Há grande interesse brasileiro na regulamentação do Artigo 6. O país é considerado a “Arábia Saudita” do carbono. Dependendo de como ficar decidida a contabilidade dos créditos no âmbito do mercado global, o Brasil pode ganhar mais ou menos dinheiro. Existe, ainda, uma promessa feita por países desenvolvidos, e negociada pelos diplomatas brasileiros, em transferir recursos para países em desenvolvimento, como forma de pagamento por terem mantido a maior parte das florestas de pé. Fora da mesa de negociação, o governo terá de aceitar o que estiver colocado.

Assine a newsletter Exame.ESG e descubra como a sustentabilidade empresarial impacta diretamente a performance de seus investimentos

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

 

 


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Rodrigo Caetano

Repórter ESG| rodrigo.sabo@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame