ESG

Manequim reciclável e móveis circulares: a nova loja sustentável da Renner

PUBLICADO EM: 10.6.21 | 7H00
ATUALIZAÇÃO: 9.6.21 | 17H50
Proposta é inaugurar a primeira "loja circular" no país, que será aberta na cidade do Rio de Janeiro
Loja circular Renner

Loja circular da Renner terá de manequins recicláveis a energia limpa

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

A Renner se prepara para dar mais um passo com a finalidade de se tornar de fato uma empresa circular e consciente no mundo da moda. A varejista apresentou nesta quinta-feira, 10, um modelo de loja física sustentável, baseado no princípio da circularidade e do reuso.

Segundo a empresa, o projeto está em andamento desde 2019 e o momento escolhido para a inauguração é o segundo semestre deste ano -- ainda sem data definida. Trata-se de um novo “envelopamento” de uma loja já existente no shopping Rio Sul, na cidade do Rio de Janeiro. A previsão é de que, no primeiro semestre de 2022, aconteça também uma inauguração de uma nova loja, que seguirá os mesmos padrões sustentáveis.

O que tem na nova loja?

A primeira mudança está na fachada. O novo design leva em conta a transparência e, por isso, será possível ver toda a loja, mesmo estando do lado de fora. Já na lista de itens circulares estão desde o piso e os móveis até os manequins, feitos de resina reciclada e reciclável.

Segundo Fabio Faccio, CEO da Renner, a inauguração está em linha com a estratégia sustentável da empresa, que foca em circularidade e moda responsável nas coleções -- e agora também nas lojas. “Vamos somando todas as iniciativas que tomamos desde 2014, e trazendo novas ideias, assim como foi com o Re (jeans sustentável da marca), em novas lojas, seja em reformas ou inaugurações”, diz.

Com o novo modelo de loja circular, a proposta da Renner é reduzir em 55% o consumo de água e 20% o consumo de energia. A loja também será abastecida com energia renovável de pequenas hidrelétricas, mas a Renner já analisa a chance de migrar o fornecimento para parques eólicos em um futuro próximo, segundo Alessandra Shargorodsky, diretora de arquitetura, engenharia e expansão da Lojas Renner.

A missão será cumprida com a ajuda de fornecedores que, segundo Shargorodsky, serão escolhidos a partir de uma régua muito mais elevada. “O nosso maior desafio é a cultura dos fornecedores”, diz. "Estamos ampliando essa cultura com todos que trabalham com a gente e vamos conseguir isso fazendo alianças, estabelecendo parcerias e buscando produtos que tenham a ver com a nossa proposta”.

Segundo Faccio, ainda não é possível afirmar se todos os projetos da nova loja serão incorporados em outras unidades da Renner. O executivo antecipa, porém, que o objetivo é replicar o modelo no maior número de lojas possível.

A história sustentável da Renner

A jornada sustentável da varejista começou ainda em 2014, quando recebeu a certificação LEED, que reconhece construções civis que seguem boas práticas ambientais. Dois anos depois, a marca passou a neutralizar 100% das suas emissões de CO2. Para entender como o meio ambiente se tornou fundamental para as grandes empresas, a EXAME Academy oferece o curso ESG: A revolução da sustentabilidade.

O grande avanço, no entanto, aconteceu com a criação do Selo Re, usado em itens confeccionadas de maneira responsável, com fios reciclados e menor uso de água, por exemplo. O principal dos produtos é o Re Jeans, que ganhou uma nova coleção no ano passado e consome 44% menos água na produção e lavagem. Desde a criação do selo, já foram mais de 130 milhões de peças vendidas.

A empresa também investe em um sistema de logística reversa, chamado de EcoEstilo. Com dez anos de existência, o programa já coletou cerca de 155 toneladas de itens descartados pelos clientes nas lojas, entre embalagens e frascos de itens de perfumaria e beleza e peças de roupa em desuso. Em novembro de 2020, a marca também iniciou uma parceria com o brechó online Repassa que permite que clientes da Renner enviem ao Repassa peças de vestuário de qualquer marca que não são mais usadas.

Em relação ao futuro, a Renner estabeleceu algumas metas ambientais para 2021. Entre elas, ter todo o algodão utilizado nas confecções sendo certificado, aumentar para 75% a participação de fontes renováveis no consumo energético e  reduzir em 20% as emissões de CO2 em relação aos níveis de 2017.

“A nossa proposta é gerar um impacto positivo a partir de tudo que a gente faz, desde a coleção, e também no nosso modelo construtivo, nos equipamentos que usamos, no transporte de cargas e todos aspectos relacionados à nossa cadeia”, diz Faccio.

Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME. 

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame