Sem diversidade, maioria das grandes empresas chinesas não têm mulheres nos conselhos | Exame Invest
Exame Invest
ESG

Sem diversidade, maioria das grandes empresas chinesas não têm mulheres nos conselhos

PUBLICADO EM: 13.3.21 | 10H00
ATUALIZAÇÃO: 10.3.21 | 15H38
Os conselhos nos países ocidentais continuam a ser fortemente dominados por homens, de estatais a companhias de tecnologia no comércio eletrônico e veículos elétricos

Diversidade nos conselhos: maioria das empresas chinesas não têm mulheres na alta liderança (Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A BYD, montadora de automóveis apoiada por Warren Buffett, a ANTA Sports Products, rival da Nike e a JD.com, varejista listada na Nasdaq, são emblemáticas empresas chinesas. As gigantes têm outra coisa em comum: nenhuma tem mulheres em seus conselhos.

Salas de conselhos exclusivamente masculinas são comuns em influentes empresas estatais chinesas, mas também fazem parte de muitas companhias empreendedoras do país, abrangendo setores como comércio eletrônico e veículos elétricos, favoritos dos investidores. Isso deixou o país com a suspeita de ser um dos piores lugares para a diversidade de gênero em conselhos de empresas.


Recomendado para você

Das 25 maiores empresas do índice MSCI ACWI sem nenhuma mulher no ano passado, 14 eram chinesas, de acordo com relatório publicado em novembro pelo MSCI. Entre elas estavam grandes nomes como o operador de mecanismo de pesquisa Baidu e a empresa de entrega de alimentos Meituan.

A lista de empresas chinesas com conselhos exclusivamente masculinos também inclui a vendedora de smartphones Xiaomi e a startup de vídeos Kuaishou Technology, que no início deste ano levantou US$ 5,4 bi no maior IPO de tecnologia desde a Uber. Investidores e ativistas têm dado mais atenção ao assunto, pedindo à bolsa de valores de Hong Kong -- o local de listagem preferido para muitas das empresas mais importantes da China continental -- para estreitar o relacionamento com outros mercados que têm melhores registros de diversidade.

“É bastante evidente que estamos muito atrasados”, disse Teresa Ko, sócia e presidente do conselho do escritório de advocacia Freshfields Bruckhaus Deringer na China. Ex-presidente do conselho da comissão de valores mobiliários de Hong Kong, ela pediu que a bolsa implemente cotas que obriguem as empresas listadas a contratar mulheres nos conselhos no prazo de seis anos.

“Precisamos de prazos”, disse ela. O status quo “é constrangedor e bastante decepcionante”.

Diversidade de gênero em empresas asiáticas

Diversidade de gênero em conselhos adminstrativos (Bloomberg/Divulgação)

A bolsa de valores de Hong Kong disse em comunicado que reconhece a importância da diversidade, apontando para a exigência de 2019 de que os candidatos a IPO com conselhos exclusivamente masculinos expliquem as medidas para alcançar a diversidade de gênero no conselho após a listagem.

Os conselhos nos países ocidentais continuam a ser fortemente dominados por homens, mas nos últimos anos muitas empresas adicionaram mais mulheres em resposta à pressão de investidores, reguladores e consumidores.

Todas as empresas do índice Standard & Poor’s 500 têm pelo menos uma diretora do sexo feminino, representando 28,8% dos cargos nos conselhos de administração. A Califórnia planeja exigir que a maioria das empresas de capital aberto sediadas lá tenha pelo menos três diretoras até o final deste ano.

Tem havido muito menos pressão sobre as empresas na China, onde o governo do presidente Xi Jinping não priorizou a diversidade de gênero nos conselhos e mantém um controle rígido sobre a mídia. A China ficou em 106º lugar entre 153 países na classificação feita pelo Índice Global de Diferenças de Gênero 2020 do Fórum Econômico Mundial.

Pelo menos por enquanto, os investidores em algumas das empresas mais importantes da China não parecem estar penalizando-as por não terem diretoras. A fabricante de veículos elétricos com sede em Pequim, a Li Auto, levantou 1,1 bilhão de dólares em oferta pública inicial na Nasdaq em julho passado, e a XPeng, sua rival em veículos elétricos, levantou 1,5 bilhão de dólares em IPO na bolsa de valores de NY em agosto.

No entanto, existem sólidos incentivos comerciais para que as empresas promovam a diversidade de gênero nos conselhos, de acordo com relatório da S&P Global de fevereiro.

“Isso traz uma coleção mais ampla de experiências, pontos de vista e históricos que resultam em uma melhor tomada de decisão”, disse a S&P. “Ter mais mulheres no conselho também tende a conter riscos excessivos, diminuir estratégias fiscais agressivas e melhorar a reputação da empresa, a qualidade dos ganhos e o desempenho de sustentabilidade.”

“A promoção da diversidade do conselho (com ênfase particular no gênero) continuará sendo uma prioridade para a bolsa”, Henry Sung, porta-voz da bolsa de valores de Hong Kong, disse em comunicado enviado por e-mail. “Nós faremos novos anúncios ao mercado para quaisquer novas consultas nesta área no momento oportuno.”

Embora em 2019 a bolsa tenha começado a exigir que as empresas tenham políticas de diversidade do conselho, essas medidas não foram eficazes, disse Ko.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame