Exame Invest
ESG

Somos vulneráveis às mudanças climáticas, diz Reinecke, do King’s College

PUBLICADO EM: 12.10.21 | 8H00
ATUALIZAÇÃO: 11.10.21 | 18H54
Debate promovido pela Aberje sobre desafios da COP-26 e mudanças climáticas recebeu Juliane Reinecke, do King’s College de Londres; Kat Thorne, do King’s College de Londres e Cristiano Teixeira, diretor geral da Klabin

Imagem da Editoria Exame Invest
Marina Filippe

Jornalista



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Na primeira quinzena de novembro, líderes globais se reunirão em Glasgow, na Escócia, para a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, também conhecida como COP26. A reunião, que debaterá a mudança climática e definirá acordos entre países empresas para combater ameaças ao planeta, já vem sendo previamente abordada por entidades. Um exemplo é o webinar promovido pela Aberje na última semana, com Juliane Reinecke, professora de gestão internacional e sustentabilidade na Escola de Negócios do King’s College de Londres; Kat Thorne, diretora de sustentabilidade do King’s College de Londres e Cristiano Teixeira, diretor geral da Klabin.

Acompanhe em primeira mão todas as notícias sobre a COP26

Na ocasião, muito se falou de inclusão. "Os negociadores da COP26 terão um grande desafio para chegar a algum acordo. Nós sabemos onde queremos chegar, mas como fazer isso é o xis da questão, e também como alcançar esse objetivos de forma justa e inclusiva", disse Juliane Reinecke, acrescentando que a proteção ao meio ambiente que temos hoje "não é suficiente", considerando a extensão e a complexidade da questão climática.

Falou-se também do conceito de vulnerabilidade nos países. "Divulgou-se recentemente que a Suécia, a França, a Finlândia, a Alemanha e os EUA estariam no ranking dos menos afetados pelas mudanças climáticas, e os que correriam mais riscos seriam Nigéria, Bangladesh, Costa do Marfim, Tanzânia e Tunísia. Mas todos os países são vulneráveis, e serão afetados pelo aquecimento global. O Fórum Econômico Mundial estimou que, até 2050, 80% da população global será atingida pelas mudanças climáticas. Ou seja, todos nós somos vulneráveis", afirma Reinecke.

Segundo ela, é importante pensar como balancear as responsabilidades de mitigar as mudanças climáticas, uma vez o papel das empresas em prol do cumprimento da meta zero de carbono até 2050, e outras ações são compromissos coletivos para garantir o proposto, e limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius.

“Em menos de 10 anos, as emissões de carbono devem cair pela metade, essa é uma meta muito ambiciosa. Por um lado, está nas mãos de todos nós, inclusive das empresas, agir para começar a mitigar as mudanças climáticas e evitar que os piores efeitos aconteçam. Por isso, é muito importante que autoridades e governos do mundo todo definam o escopo e as regras".

A pesquisadora lembra ainda que, em 2008, o relatório IPCC da ONU estabeleceu o prazo de 12 anos para reduzir o risco da catástrofe da mudança climática. "Ou seja, agora, temos apenas 9 anos. O relatório IPCC de 2021 apenas confirmou que os impactos no meio ambiente estão se acelerando".

Para Kat Thorne também é importante que o viés do debate e dos compromissos firmados seja realmente efetivos. "O Reino Unido, como anfitrião, irá pedir que os países participantes estabeleçam metas mais ambiciosas de redução de emissão de poluentes, para 2030. Obviamente, o que queremos é ver essas metas acontecendo", disse.

Em relação ao que se pode esperar da participação do Brasil e, em especial das empresas, Cristiano Teixeira, da Klabin se mostra otimista. "Se olharmos o que está na agenda oficial da conferência, e não nas redes sociais e outros meios, o Brasil reafirma o que ficou acordado no encontro recente ocorrido nos EUA, organizado por Joe Biden. O governo se compromete a zerar o desmatamento ilegal da Amazônia até 2030, e atingir a neutralidade climática em 2050, não mais em 2060".

Brasil e as Mudanças climáticas

Para Teixeira, é fundamental que o Brasil contenha as ações ilegais de desmatamento da Amazônia. "Hoje, representamos 3% da emissão de gases poluentes, estando como o sexto maior emissor no mundo. Estima-se que 50% dessa emissão seja decorrente do desmatamento ilegal da Amazônia. É por isso que precisamos pressionar as autoridades para que inibam essas ações", afirma.

Mas a principal medida, segundo ele, é deixar de utilizar o carvão e o gás natural como fontes de energia. "Esse é o passo mais difícil, basta ver a crise de energia que está acontecendo na China. O governo está tentando convencer as empresas a reduzirem o uso de carvão, e apenas esse anúncio já gerou uma crise. Imaginem o que pode acontecer no norte da Europa no próximo inverno, em países como a Alemanha, que depende do gás natural da Rússia?".

O executivo aproveitou o espaço para contar as ações da Klabin em relação à proteção ambiental. "Agimos para neutralizar as emissões de carbono que resultam das nossas operações. Em relação ao COP26, temos buscado dialogar com os representantes brasileiros. Tenho ido a Brasília a cada 15 dias e conversado com negociadores oficiais que irão a Glasgow, para tentar influenciar as autoridades nos pontos que precisamos alcançar, e no que o mundo espera de nós".

Veja também:

O que os CEOs brasileiros esperam da COP26

 

 

 

Imagem da Editoria Exame Invest
Marina Filippe

Jornalista


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame