ESG

Turboélice pode ser modelo da Airbus para 1º avião com fonte de energia limpa

PUBLICADO EM: 12.2.21 | 8H47
Um design de turboélice ganha impulso na Airbus como a solução para seu desafio de desenvolver um jato movido a hidrogênio até 2035, segundo pessoas a par do assunto
airbus_turboelice_energia_renovável_limpa

Um design de turboélice ganha impulso na Airbus como a solução para seu desafio de desenvolver um jato movido a hidrogênio até 2035, segundo pessoas a par do assunto

Imagem da Editoria Exame Invest
Leo Branco

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Um design de turboélice ganha impulso na Airbus como a solução para seu desafio de desenvolver um jato movido a hidrogênio até 2035, segundo pessoas a par do assunto.

O avião turboélice transportaria cerca de 100 passageiros por cerca de 1.000 milhas náuticas, aproximadamente a distância entre Roma e Dublin. É considerada a opção mais provável de cumprir o objetivo ambicioso da Airbus de lançar um avião de emissão zero até meados da próxima década, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas porque uma decisão formal ainda deve levar muitos anos.

A Airbus revelou três conceitos de design incluindo o turboélice em setembro passado, quando disse que se concentraria na tecnologia de hidrogênio para enfrentar o problema das crescentes emissões de dióxido de carbono. Embora nenhuma decisão final tenha sido tomada sobre qual design levar adiante, a empresa começa a avaliar o potencial de cada proposta, disseram as pessoas.

Os outros dois designs incluem uma asa mista de 200 assentos, que a Airbus já disse que dificilmente seria a primeira opção devido aos desafios de certificação, e uma abordagem turbofan de aparência mais familiar, que poderia voar mais de 2.000 milhas náuticas, cerca de dois terços do percorrido pelos principais jatos A320 de corredor único da empresa.

Um avião turboélice, embora mais fácil de desenvolver, atenderia a um mercado menor: poderia operar a maioria dos voos entre cidades europeias, por exemplo, mas não voar rotas transatlânticas ou costa a costa nos EUA. Isso o torna menos ameaçador para jatos convencionais que voam distâncias maiores e mais rápido.

Se a Airbus escolher esta abordagem, poderia aliviar a pressão sobre a Boeing para ter que alinhar suas ambições com o hidrogênio, e concentrar a competição de curto prazo entre as duas fabricantes de aviões dominantes em aeronaves convencionais.

“Todos os estudos estão progredindo bem e não estamos em posição de dar mais detalhes sobre qual conceito é o mais promissor”, disse uma porta-voz da Airbus em comentários por e-mail. A empresa espera tomar uma decisão final entre 2024 e 2025, acrescentou.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Imagem da Editoria Exame Invest
Leo Branco

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame