Exame Invest
ESG

União Europeia ‘mostra os dentes’ em defesa dos direitos LGBTQ

PUBLICADO EM: 15.9.21 | 12H06
ATUALIZAÇÃO: 15.9.21 | 12H07
A UE ameaçou a Polônia com multas diárias e congelamento de pagamentos em disputas sobre discriminação da comunidade LGBTQ e independência judicial
LGBT

“A Comissão Europeia está finalmente mostrando os dentes”, disse Nathalie Tocci, professora visitante da Harvard Kennedy School

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A União Europeia tem um histórico irregular no que diz respeito a disciplinar países do bloco. Mas neste mês abriu várias frentes em sua batalha cada vez mais contenciosa com membros da UE sobre os principais valores do bloco.

  • Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

A UE ameaçou a Polônia com multas diárias e congelamento de pagamentos em disputas sobre discriminação da comunidade LGBTQ e independência judicial. Liderado por vários primeiros-ministros, o bloco aproveita as poderosas novas ferramentas orçamentárias em um esforço sem precedentes para obrigar Polônia e Hungria a reverterem medidas que minam o Estado de direito sob o risco de perderem o acesso a bilhões de euros.

A Bloomberg entrevistou diplomatas e funcionários informados sobre conversas entre líderes e o debate na Comissão Europeia sobre maneiras de pressionar a Polônia e a Hungria. A iniciativa foi cristalizada em uma cúpula da UE em junho, quando o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, foi pego de surpresa pelo fervor e unidade de outros líderes na questão LGBTQ, e Stefan Lofven, da Suécia, indicou aos colegas como o bloco poderia alavancar seu orçamento para disciplinar esses países.

“A Comissão Europeia está finalmente mostrando os dentes”, disse Nathalie Tocci, professora visitante da Harvard Kennedy School e diretora do Instituto de Assuntos Internacionais de Roma. “Na Europa, este é o primeiro passo prático fundamental para a UE como tal adquirir o status de garantidor da democracia liberal dentro do bloco.”

Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen (Olivier Hoslet/Reuters)

Enquanto a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, se prepara para fazer seu discurso anual sobre o estado da União na quarta-feira, a abordagem mais agressiva do bloco parece estar surtindo efeito. Autoridades europeias dizem que há indícios de que a Polônia, pelo menos, tem recuado em sua postura.

A UE espera que, com sua nova alavancagem financeira, seja capaz de reverter seu frágil histórico em disciplinar membros rebeldes, o que dificultou o confronto com a China e o apoio a valores democráticos no mundo todo. Mas, com a Hungria totalmente empenhada, a unidade do bloco será testada em um confronto que poderá reformular a aliança nos próximos anos - seja forçando efetivamente estados membros acusados de retrocesso democrático a se alinharem com seus valores ou fazendo-os reconsiderar a adesão à UE.

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame