Urgência climática: governo francês se une à ONU e Banco Mundial para discutir novas diretrizes globais | Exame Invest
Exame Invest
ESG

Urgência climática: governo francês se une à ONU e Banco Mundial para discutir novas diretrizes globais

PUBLICADO EM: 11.1.21 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 11.1.21 | 5H49
Líderes mundiais e representantes de empresas e instituições financeiras falam sobre desmatamento e incentivo à bioeconomia em evento em Paris
macron japao

Emmanuel Macron: presidente francês se une às Nações Unidas e Banco Mundial para promover evento sobre desenvolvimento sustentável

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Nesta segunda-feira, 11, o governo francês promove o One Planet Summit for Biodiversity (OPS), evento que irá discutir o impacto da economia global na biodiversidade do planeta. O evento, que acontece em Paris, será oferecido em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU) e o Banco Mundial e reunirá chefes de estado, representantes de ONGs, líderes empresariais e instituições financeiras. O encontro será transmitido online.

Tem dúvidas sobre o que significa o termo ESG – e a importância dele para os negócios? Entenda com a EXAME Research

O OPS vai também discutir alternativas de fomento à bioeconomia, preservação marinha, financiamento para projetos climáticos e combate ao desmatamento. De acordo com a organização do evento, o principal objetivo da cúpula é estabelecer novos padrões de comprometimento de países com a proteção da natureza e definir uma prévia de um possível acordo a ser firmado na próxima Conferência das Nações Unidas pelo Clima (COP15), que acontecerá na cidade chinesa de Kunming, em maio.

França e sustentabilidade

O tema vem em boa hora e faz parte dos esforços do presidente francês Emmanuel Macron em promover a agenda sustentável e assumir a liderança ESG na Europa. Atualmente, a Alemanha tem a dianteira no assunto, liderando ações de desenvolvimento sustentável e propostas de reduções das emissões de carbono.

Ainda em 2019, Macron já havia direcionado críticas ao Brasil pelas intensas queimadas e pelo crescente dematamento ilegal na Amazônia. Na ocasião, a França se uniu a uma extensa lista de países da União Europeia que decidiram rever a ratificação do acordo do Mercosul, cobrando uma postura mais diligente do governo Bolsonaro a respeito dos danos ambientais no bioma. Além disso, o presidente também havia prometido uma mobilização do G7 para o combate às queimadas.

Representantes partidários do governo de Macron também já expressaram preocupações sobre o comprometimento do Brasil na tomada de medidas práticas para atingir os objetivos assumidos no Acordo de Paris.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.


Recomendado para você


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Maria Clara Dias

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame