Exame Invest
ESG

Via Varejo: elevar o uso de energia renovável é suficiente para ESG?

PUBLICADO EM: 22.4.21 | 15H32
ATUALIZAÇÃO: 22.4.21 | 16H27
A especialista em ESG da EXAME Invest Pro, Renata Faber, analisou a emissão de debêntures da Via Varejo e deu exemplos positivos de outros dois players do setor

Resumo do investidor

Por que isso é importante: 1. Via Varejo anunciou primeira emissão com condições atreladas ao cumprimento de metas de sustentabilidade 2. Objetivo é adotar fontes renováveis de energia em até 90% de sua operação até 2025 3. Renata Faber, da EXAME Invest Pro, destaca que as metas poderiam ser mais ambiciosas

Casas Bahia; Lar Center; máscara; Fachada

Via Varejo anunciou sua primeira emissão de debêntures atrelada ao cumprimento de metas de sustentabilidade

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliano Passaro

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A Via Varejo S.A. (VVAR3) comunicou na última segunda-feira, 19, que seu Conselho de Administração aprovou a 6ª emissão pública de debêntures simples. É a primeira emissão da companhia com condições atreladas ao cumprimento de metas de sustentabilidade (sustainability-linked bond - SLB). Mas será que a novidade foi vista como algo positivo para o mercado?

O objetivo é adotar fontes renováveis de energia em até 90% de sua operação até 2025, em uma ação que inclui escritórios, centros de distribuição e lojas. Entretanto, de acordo com a especialista em ESG da EXAME Invest Pro, Renata Faber, as metas poderiam ser um pouco mais convincentes, do ponto de vista do compromisso ambiental.

Tenha acesso a todas as recomendações de empresas com boas práticas e princípios. Assine a ESG Invest.

“É pouco uma empresa do varejo focar apenas em aumentar o uso de energia renovável. Quando pensamos em temas materiais dessa indústria, pensamos na velocidade da gestão de resíduos e na emissão de carbono, principalmente, escopo três. Então, realmente é uma meta modesta. Temos que tomar cuidado com a ambição dessas emissões de dívida. Caso contrário, esse mercado pode perder um pouco do appeal”, explica Faber.

Boas práticas em ESG

O mercado de dívida verde e sustentável tem crescido bastante nos últimos anos. Segundo Faber, isso ajuda as empresas a pensarem na agenda ESG, mas não é o bastante. Para ela, as empresas precisam ter metas fortes.

Por isso, é importante que as empresas se espelhem em outras companhias que adotam boas práticas de governança, social e ambiental já reconhecidas pelo mercado. "Temos que olhar o que os concorrentes estão fazendo, ver onde a barra está mais alta. Nesse caso, Mercado Livre (MELI34) e Magazine Luiza (MGLU3) são dois bons exemplos”, afirma Faber.

Faber destaca a maior eficiência das duas empresas em relação aos outros players do varejo nos quesitos ESG. “Ambas já estão olhando emissão de carbono escopo três. O escopo 3 inclui a emissão de carbono das entregas das mercadorias, a questão da embalagem dos produtos que eles vendem. São empresas que já estão pensando em como fazer uma logística reversa ou uma economia circular com essas embalagens”, exemplifica Faber.

Seja protagonista em um mercado de US$ 31 trilhões com o MBA da EXAME Academy e Trevisan Escola de Negócios

Emissão de debêntures da Via Varejo

O valor total da emissão de debêntures da Via Varejo será de 1 bilhão de reais na data de emissão. Em relação a quantidade total de debêntures, serão 1 milhão. Elas são do tipo não conversíveis em ações, da espécie quirografária, e serão distribuídas em até duas séries, para distribuição pública com esforços restritos de distribuição.

A Via Varejo pagará 100% do CDI, mais sobretaxa de até 1,90% na primeira série das debêntures, e sobretaxa de até 2,10% na segunda série. Caso não sejam atendidas determinadas metas de uso de energia elétrica renovável a serem estabelecidas na Escritura de Emissão ou não seja entregue ao agente fiduciário o relatório do avaliador externo, no prazo a ser previsto na escritura de emissão, a sobretaxa será acrescida em 10bps.

Ou seja, a Via Varejo pagará uma remuneração extra de 10 pontos-base em cada série de debêntures. Assim, a sobretaxa original da primeira série será ajustada para até 2% ao ano, enquanto a da segunda série passará para 2,20% a.a. A remuneração final será definida por bookbuilding.

Os recursos captados pela Via Varejo por meio da integralização das debêntures serão destinados ao alongamento do perfil da dívida da empresa e reforço de caixa no âmbito da gestão ordinária dos negócios da companhia. Os papéis da Via Varejo fecharam o pregão da última segunda cotados a 12,80 reais, com uma leve alta de 0,39%.

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliano Passaro

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame