Exame Invest
Future of Money

7 pontos para entender o que é o Pix

PUBLICADO EM: 28.10.20 | 14H00
ATUALIZAÇÃO: 11.11.20 | 17H37
O sistema de pagamentos instantâneos do BC será lançado no dia 16 de novembro; em evento, EXAME discute as mudanças que a plataforma trará para a sociedade
pix - pagamento digital - qr code

Pix: sistema de pagamentos instantâneos desenvolvido pelo Banco Central está previsto para ser lançado oficialmente em 16 de novembro

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O Pix tem sido tema de discussões não só dentro do mercado financeiro mas também entre amigos, família e conhecidos. O novo sistema de pagamento entra em vigor em menos de um mês e tem potencial para fazer muitas mudanças para a sociedade. Os impactos da tecnologia será discutido por especialistas no maior evento sobre o futuro do dinheiro da América Latina.

O Future of Money, organizado pela EXAME, reunirá especialistas para debater o tema na quinta-feira, 29, às 18 horas. Para participar basta se inscrever aqui, e para assistir ao debate que traz um aprofundamento do tema e dos impactos do Pix na sociedade, é preciso saber antes o que é e como funciona o sistema. A seguir, entenda o Pix em sete pontos.

1. O que é

Um sistema de pagamentos instantâneos desenvolvido pelo Banco Central. O Pix está previsto para ser lançado oficialmente em 16 de novembro e enquanto isso os grandes bancos estão correndo para encontrar formas de ganhar com o novo sistema. A maioria das instituições já liberou o cadastro para os clientes e mais de 30 milhões de brasileiros já se cadastraram. A intenção do Banco Central é estimular o uso de meios digitais de pagamento. Como consequência, vai diminuir o volume de papel-moeda em circulação e, de um modo geral, os brasileiros terão um acesso mais democrático ao sistema financeiro.

2. Para que serve

Desenvolvido pelo Banco Central, o Pix vai funcionar 24 horas por dia, sete dias por semana. As transações realizadas pela ferramenta serão instantâneas, com menor custo e alta segurança. O novo sistema é uma alternativa aos modelos de pagamento já existentes, como TED/DOC, que possuem um custo em torno ou acima de 10 reais por operação. Na plataforma, o valor vai sair direto da conta do usuário pagador para a conta do usuário recebedor. Não vai haver a necessidade de empresas e instituições intermediando o processo.

3. Quem pode usar

O Pix pode ser usado tanto por pessoas físicas quanto por empresas e MEIs. Ao simplificar e baratear a transferência de dinheiro entre pessoas físicas e jurídicas, o Pix deve colocar 22 milhões de brasileiros que atualmente não têm nenhuma conta em banco no sistema financeiro. A rapidez para transferir dinheiro para um amigo ou fazer um pagamento em uma loja sem usar cartão é apenas o começo. Empresas que prestam serviços públicos como fornecimento de água e energia, por exemplo, podem economizar usando o Pix no lugar dos boletos.

4. É de graça ou preciso pagar?

O Pix será gratuito para pessoas físicas e mais barato para as empresas do que os meios oferecidos atualmente. Os CNPJs ainda precisarão pagar uma tarifa, mas o valor cobrado pelo Banco Central será apenas o preço de custo da operação. Atualmente, os valores cobrados por bancos para operações como TED e DOC ficam em torno de 10 reais por transação.

5. Como funciona e o que preciso fazer?

A primeira etapa do lançamento do Pix é o cadastramento de chaves que irão substituir dados atualmente obrigatórios para uma transação como número do banco, agência, conta e CPF para recebimento de pagamentos e transferências. A chave será o único dado vinculado à conta que o cliente terá de compartilhar para receber transferências ou pagamentos. Este dado pode ser o CPF, o número do celular, um e-mail ou uma chave aleatória, gerada no próprio app de sua instituição. O cadastro deve ser feito nos sites e/ou aplicativos dos bancos e fintechs, ou pessoalmente nas instituições.

6. É obrigatório?

Não é obrigatório cadastrar uma chave para fazer ou receber uma operação pelo Pix. Mas, caso o usuário queira usar o sistema de pagamento instantâneo sem a chave, será preciso digitar todos os dados bancários do destinatário para realizar uma transação, a exemplo do que já acontece atualmente.

7. Posso cadastrar o Pix em mais de uma conta?

Cada pessoa física pode registrar até cinco chaves Pix diferentes junto ao Banco Central, utilizando CPF, número de telefone, e-mail ou números aleatórios como forma de identificação. Entretanto, cada chave só pode ser utilizada em uma única instituição, seja banco ou fintech. Por isso, é fundamental saber como fazer a portabilidade de sua chave Pix de uma instituição para outra, ou simplesmente excluir a chave de determinada instituição.

Participe do maior evento da América Latina sobre o futuro do dinheiro

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame