Exame Invest
Minhas Finanças

10 dicas para negociar dívidas na pandemia

PUBLICADO EM: 28.7.21 | 18H43
ATUALIZAÇÃO: 28.7.21 | 18H46
Crise é preocupante, mas endividados podem aproveitar o bom momento para negociação
dívidas contas empréstimo

Na pandemia, os credores estão mais flexíveis em renegociar a alomgar prazos de pagamento sem aumentar a parcela. (Getty Images/Cultura RF)

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Um dos reflexos da pandemia foi o aumento do desemprego, o que fez muitos consumidores se endividarem ou não ter como liquidar as dívidas já existentes.

Nesse cenário, o percentual de famílias endividadas no Brasil chegou a 67,3% em março deste ano, segundo dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. É a segunda maior porcentagem da série histórica.

"A situação é preocupante, mas também pode ser uma oportunidade para os endividados. É um momento bom para negociação.", explica Afonso Morais, sócio do escritório Morais Advogados Associados.

Veja as dicas de Morais para ajudar a negociar com os credores em tempos de crise:

• Organize as finanças para visualizar o valor das suas despesas, pelo menos, nos próximos três meses, incluindo todas as dívidas já existentes.

• De acordo com o que você tem de reserva financeira e quanto deve receber, você saberá quanto poderá destinar para o pagamento das despesas já existentes

• Na pandemia, os credores estão mais flexíveis para alongar prazos de pagamento sem aumentar a parcela

• Procure todos os credores e proponha uma renegociação. Solicite um aumento de prazo para pagamento, diminuindo o valor mensal das parcelas, citando o valor que você tem disponível para parcelar.

• O importante é saber quanto você pode pagar para fazer com que a negociação atinja esse patamar. Caso contrário, você pode não conseguir honrar o novo acordo.

• Nas negociações, é possível utilizar alguns argumentos, como teoria da imprevisão, caso fortuito e força maior, para modificar cláusulas contratuais. Neste caso, uma consultoria jurídica pode ajudar

• Priorize o pagamento das dívidas relacionadas a serviços essenciais ou aquelas que tenham uma taxa de juros mais alta. Essas devem ser liquidadas primeiro.

• Nos contratos assinados com credores, em muitos casos já existem cláusulas que preveem medidas especiais em momentos extraordinários, como o que estamos vivenciando. Você pode utilizar essa cláusula na negociação.

• Reveja seus gastos e seu custo de vida. Isso pode ajudar a evitar que você contraia dívidas maiores.

• Identifique as despesas que podem ser cortadas nesse período para que você tenha mais recursos para liquidá-las. Em momentos de crise, se concentre apenas em gastos essenciais, de forma a quitar as dívidas o mais breve possível.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso

Imagem da Editoria Exame Invest
Marília Almeida

Repórter de Invest marilia.almeida@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame