Exame Invest
MERCADOS

3 razões para o Ibovespa acima dos 120 mil pontos e o dólar em queda

PUBLICADO EM: 17.4.21 | 16H32
ATUALIZAÇÃO: 17.4.21 | 16H40
Impasse sobre Orçamento e risco político com CPI da Covid são eclipsados por fatores como a alta das commodities e a volta do investidor estrangeiro

Resumo do investidor

1. O Ibovespa voltou a superar os 120 mil pontos depois de 2 meses, e o dólar caiu abaixo de R$ 5,60 2. A melhora dos ativos acontece mesmo com o risco político-fiscal aumentando em Brasília em abril 3. Mas a alta das commodities e a volta do investidor estrangeiro atrás de certos ativos levam à melhora

B3; Bolsa; Bovespa; Painel; Investimento; Ações

Telão eletrônico com cotações de ações da B3: Ibovespa voltou a superar os 120 mil pontos nesta semana

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Da Bloomberg: O câmbio e o Ibovespa mostram resiliência apesar das incertezas internas, sustentados pela entrada de recursos estrangeiros.

O fluxo é assegurado, por sua vez, pela sazonalidade favorável da balança comercial, impulsionada pela alta das commodities, e pelo ingresso de investidores atraídos pelos preços relativamente baixos das ações. A oferta bilionária de debêntures da Vale também contribuiu.

Tenha renda para o resto da vida com fundos imobiliários. Aprenda como montar a carteira

O dólar chegou a fechar acima de 5,70 reais no primeiro dia do mês e acumula queda em torno de 1% desde então, para R$ 5,58, mesmo com toda a apreensão fiscal gerada pelo impasse no Orçamento e da abertura da CPI no Senado para investigar o governo na pandemia -- em meio a recordes de mortes por Covid-19 no país. O Ibovespa voltou para o patamar dos 120 mil pontos depois de dois meses.

“O fluxo positivo pode levar a uma reversão do movimento negativo excessivo do real”, diz Gustavo Medeiros, sub-chefe de pesquisa e gestor de portfólio da Ashmore Group. A moeda brasileira ainda tem o segundo pior desempenho entre as emergentes no ano, atrás apenas do peso argentino.

“Os fundamentos do balanço de pagamentos dos países emergentes em geral estão bem melhores”, diz Patrícia Urbano, gestora de portfólio da Edmond de Rothschild Asset Management, em Paris.

O Brasil contabiliza um saldo positivo entre os fluxos comercial e financeiro de 8,7 bilhões de dólares neste ano, contra uma saída líquida de 13,9 bilhões de dólares no mesmo periodo de 2020. A balança comercial tem saldo de 3,5 bilhões de dólares no mês, até o dia 11.

O fluxo gerado pelas exportações de soja ajuda o câmbio a ter um relativo alívio apesar das incertezas, diz Italo Abucater, gerente da mesa de câmbio da Tullett Prebon. Em maio, é a vez do milho, embora não tão forte quanto a soja. “A taxa está atrativa. Com câmbio acima de 5,70 reais, o exportador entra.”

A venda de 11,5 bilhões de reais de debêntures participativas da Vale pelo governo também movimentou o mercado de câmbio nesta semana. “O yield do papel próximo a 10% chamou a atenção de investidores locais e, principalmente, de estrangeiros, que contribuíram para a entrada de dólares no país”, diz Estela Panzeri, broker de renda fixa da Renascença.

Cerca de metade da oferta foi comprada por estrangeiros, num impacto de aproximadamente 1 bilhão de dólares, disseram duas pessoas com conhecimento do assunto, que pediram para não serem identificadas porque a informação não é pública.

Na bolsa brasileira, depois de saída de 4,6 bilhões de reais em março, os investidores estrangeiros entraram com 1,3 bilhão de reais na semana passada, segundo dados da B3 compilados pela Bloomberg.

“Acho que o Brasil ainda está descontado se olharmos em dólar e a previsão de rali das commodities favorece a bolsa a estar nesses patamares, apesar do cenário local desafiador”, diz Jerson Zanlorenzi, responsável pela mesa de derivativos e ações do BTG Pactual Digital.

(Com a Redação)

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame