A batalha do sofá: Mobly, Westwing e Tok&Stok disputam investidor em IPO | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

A batalha do sofá: Mobly, Westwing e Tok&Stok disputam investidor em IPO

PUBLICADO EM: 7.12.20 | 19H52
ATUALIZAÇÃO: 7.12.20 | 20H32
Três das maiores varejistas de móveis do país vão disputar recursos de fundos e estrangeiros na mesma janela de ofertas de ações
mobly-socios-moveis

Foto de Marcelo Sakate da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Marcelo Sakate

Editor da EXAME Invest, jornalista com MBA em Mercado de Capitais e experiência em Folha de S. Paulo, Veja, 6 Minutos e CNN Brasil | marcelo.sakate@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

A temporada de IPOs (sigla em inglês para ofertas públicas iniciais) na bolsa brasileira continua tão aquecida que criou uma batalha particular: três empresas que atuam no mesmo segmento vão passar da disputa pelo consumidor para a briga pelos milhões de reais de investidores institucionais e estrangeiros em suas respectivas ofertas.

A Mobly protocolou nesta segunda-feira, 7, seu pedido de IPO, juntando-se à Westwing (que havia feito o mesmo na sexta passada) e à Tok&Stok, cujo pedido de oferta foi registrado em outubro.

Quer saber quais as ofertas de ações mais quentes da bolsa? Conte com a assessoria do BTG Digital

As três companhias estão entre as maiores varejistas do país na venda de móveis e artigos de decoração, com diferentes armas e origens: as duas primeiras são nativas digitais com menos de uma década de existência e forte crescimento, enquanto a Tok&Stok é uma companhia com 42 anos com liderança concentrada em lojas físicas em capitais.

Em comum, as três companhias se beneficiaram dos novos padrões de comportamento dos brasileiros com a pandemia, com um aumento do interesse e dos gastos  com produtos e serviços para casa. A Mobly e a Westwing levaram vantagem por causa da presença predominantemente online, enquanto a Tok&Stok chegou a fechar todas as lojas no início da pandemia. As três também tiraram proveito do forte crescimento na venda de imóveis com as menores taxas de juro para o crédito habitacional da história do país.

Mobly

A Mobly foi fundada em 2011 pelos empreendedores Victor Noda, Marcelo Marques e Mario Fernandes, com recursos do gigante fundo alemão Rocket Internet, especializado em investir em empresas de e-commerce. Com apelo no preço e foco no público das classes B e C, a companhia também aposta no amplo sortimento — são mais de 200.000 produtos — e na experiência por meio de ferramentas de realidade aumentada, com tecnologia proprietária, para oferecer uma experiência de compra mais atraente.

Embora se apresente como uma empresa de tecnologia, a Mobly diz que é a líder nacional no segmento de home & living, com uma base de 925.000 clientes ativos (em setembro), mais de 1,2 milhão de pedidos e mais de 560 milhões de reais em GMV (sigla em inglês para volume bruto de mercadorias) nos nove primeiros meses do ano: 90% das vendas aconteceram por meio de canais digitais, em sua própria plataforma e nos maiores marketplaces do país, como Magazine Luiza, Mercado Livre, Via Varejo e Amazon.

A empresa teve receitas líquidas de 420,8 milhões de reais de janeiro a setembro, com margem Ebitda de 3,4%. Dos produtos vendidos, 39% eram de marca própria, ampliando a margem bruta. Outro diferencial apresentado no prospecto é o fato de a Mobly dispor de uma unidade logística que respondeu por 37% de suas entregas no período.

Westwing

Na guerra de narrativas para convencer investidores, a Mobly vai disputar os holofotes com a Westwing. Fundada em 2011 também com a Rocket por trás, a companhia aposta na experiência e no engajamento dos usuários por meio de redes sociais e ferramentas de interatividade para ampliar as vendas e alavancar o crescimento: teve 728.000 visitantes únicos mensais no terceiro trimestre, 266.000 clientes ativos e apresentava mais de 1 milhão de seguidores no Instagram, armas utilizadas para criar recorrência de compra.


Recomendado para você

A Westwing, atualmente controlada pelo empreendedor Andres Mutschler, que é o presidente da companhia, e a gestora de private equity Axxon Group, contou com a pandemia para acelerar fortemente o ritmo de crescimento. O GMV praticamente dobrou nos nove primeiros meses de 2020 em relação ao mesmo período de 2019, saltando de 139 milhões para 270 milhões de reais. A margem Ebitda foi positiva em 6,2% no período.

As receitas líquidas chegaram a 168 milhões de reais de janeiro a setembro. Segundo a companhia, 83% de pessoas que fizeram compras de janeiro a setembro já haviam feito duas ou mais aquisições na plataforma.

Tok&Stok

A terceira candidata a protagonista é a companhia mais conhecida dos brasileiros no segmento: a Tok&Stok. A empresa fundada em 1978 pelo casal francês Régis e Ghislaine Dubrule e controlada desde 2012 pelo fundo americano de private equity Carlyle (com 60% do capital) é a líder na venda de móveis para as classes A e B.

A tradicional companhia atravessa um momento de transição, com a chegada do experiente executivo Octavio Pereira Lopes há poucos meses como CEO. Um antigo sócio da GP Investments, Lopes chegou com a missão de conduzir o IPO e dar saída ao Carlyle, além de ampliar as vendas por meio de canais digitais nesse caminho.

Até o ano passado, apenas 11% da receita líquida da Tok&Stok vinha do e-commerce. Essa fatia mais do que dobrou nos nove primeiros meses de 2020, para 24%, mas isso aconteceu em parte por causa do fechamento de suas lojas físicas em meio às medidas de isolamento social com a pandemia do novo coronavírus. Um reflexo disso é que as receitas líquidas totalizaram 668 milhões de reais de janeiro a setembro, com queda de 23,4% em relação ao mesmo período de 2019. A margem ficou em 5,9% no período.


Leia também

Foto de Marcelo Sakate da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Marcelo Sakate

Editor da EXAME Invest, jornalista com MBA em Mercado de Capitais e experiência em Folha de S. Paulo, Veja, 6 Minutos e CNN Brasil | marcelo.sakate@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame