Exame Invest
Mercados

Abertura de Mercado: Risco da crise hídrica ainda não foi precificado

PUBLICADO EM: 23.6.21 | 9H42
ATUALIZAÇÃO: 23.6.21 | 14H03
Racionamento de energia pegaria mercado de surpresa, segundo analista-chefe de ações do BTG Pactual Digital
Usina hidrelétrica Miranda

Usina hidrelétrica Miranda, da Cemig | Foto: Cemig/Divulgação

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 1MIN

A negativa do presidente da Câmara de que o governo prepara uma medida provisória que viabilizaria o racionamento de energia foi vista como um alívio pelo mercado. No entanto, Bruno Lima, analista-chefe de ações do BTG Pactual, ainda vê possibilidade de a crise hídrica ter impactos significativos na bolsa.

"A crise hídrica é um risco. Como isso vai dissipar para o mercado via depender das medidas adotadas pelo governo e pelos setores que mais consomem energia", disse na Abertura de Mercado desta quarta-feira, 23.

Segundo Lima, o risco tem afetado principalmente ações do setor elétrico, mas ainda não foi precificado na bolsa como um todo, dado que a expectativa majoritária do mercado é de que não haja racionamento de energia, o que poderia afetar a atividade econômica de forma mais profunda. "Seria uma surpresa negativa. Tudo indica que não haverá racionamento, mas é uma questão que vai ficar pairando por algum tempo."

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame