Exame Invest
Mercados

Ações da MMX, de Eike Batista, desabam 27% após Justiça decretar falência

PUBLICADO EM: 19.5.21 | 16H33
ATUALIZAÇÃO: 19.5.21 | 19H22
Justiça do Rio discordou dos argumentos da própria empresa, que apontavam recursos de investidores chineses como solução para reerguer a mineradora
Eike Batista - Eike Santander e minoritário querem barrar retorno à OSX

Mineradora do empresário Eike Batista estava em processo de recuperação judicial | Foto: Wilson Dias/Agência Brasil (Wilson Dias/Agência Brasil)

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As ações da MMX (MMXM3) recuam 27,02% no pregão desta quarta-feira, 19, após a Justiça decretar a falência das empresas que formam a mineradora. Em recuperação judicial desde 2016, a companhia é parte do grupo EBX, criado por Eike Batista.

Saiba como encontrar as melhores oportunidades da bolsa com a ajuda da EXAME Invest Pro

Segundo reportagem do O Globo, o Tribunal de Justiça do Rio Janeiro decidiu, no início da tarde de hoje, decretar a falência da MMX Mineração e Metálicos e da MMX Corumbá Mineração. 

Os desembargadores julgaram ilegal uma liminar, de 2019, que suspendeu o processo de falência das mineradoras, que estavam em recuperação judicial. Eles não teriam concordado com os argumentos da MMX, de que investidores chineses injetariam recursos na empresas suficientes para reerguer a mineradora. 

Algumas semanas atrás, a Justiça de Minas Gerais já havia decretado a falência da empresa MMX Sudeste Mineração, um dos braços que compõem a mineradora controlada por Eike. 

A partir da decisão, Eike corre o risco de ter de responder a ações de responsabilidade pelas dívidas da empresa, caso seja decretada alguma fraude. O processo vem poucos dias depois da falência da MMX Mineração e Metálicos.

Além desse revés, o empresário foi multado em 150 mil reais pela CVM no mês de março. A acusação: ter votado em reunião do conselho de administração da MMX em situação de conflito de interesse em episódio ocorrido em 2015.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame