Ações recomendadas pelo BTG para maio | Exame Invest
Exame Invest
BTG Insights

Ações recomendadas pelo BTG para maio

PUBLICADO EM: 4.5.21 | 12H38
ATUALIZAÇÃO: 4.5.21 | 12H41
De olho na recuperação da economia brasileira, equipe de estrategistas do banco reposicionou boa parte do portfólio

Resumo do investidor

Por que isso importa: 1. Primeiros sinais de melhora nas condições de saúde indicam que reabertura pode estar mais próxima; 2. Houve aumento da exposição a ações de bancos, varejo, shoppings e infraestrutura; 3. Parte da exposição a algumas exportadoras de commodities foi reduzida

Objetivo da carteira recomendada do BTG é capturar as melhores oportunidades e performances do mercado de ações (Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Vanessa Daraya

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O BTG Pactual digital divulgou nesta segunda-feira, 3, novidades em suas carteiras de recomendações. No relatório com foco em ações, os estrategistas do banco reposicionaram boa parte do portfólio com o objetivo de capturar o que acreditam ser uma gradual reabertura e recuperação da economia brasileira.

Os analistas apontam que a situação orçamentária resolvida, a diminuição no ruído político e uma melhora na situação geral da saúde do país abrem espaço para o Ibovespa continuar sua recente valorização. Além disso, em abril, o risco-país diminuiu, e o fluxo estrangeiro para ações voltou a ser positivo (com entradas que somam 6,8 bilhões de reais).

Eles destacam também que, embora a situação da pandemia ainda seja dramática – com média de 2.400 mortes por dia –, a tendência é de queda no número de casos, hospitalizações e mortes. O programa de vacinação avança e, mesmo que a passos lentos, os primeiros sinais de melhora indicam uma recuperação do pior momento da pandemia e que a reabertura pode estar mais próxima.

Alterações na carteira de ações

No relatório, houve aumento da exposição a ações de bancos, varejo, shoppings e infraestrutura. Com isso, as estreantes na carteira são: Bradesco (BBDC4), Arezzo (ARZZ3), Iguatemi (IGTA3), Rumo (RAIL3) e CCR (CCRO3).

Por outro lado, houve redução de parte da exposição a algumas empresas exportadoras de commodities, exceto Vale (VALE3) e Gerdau (GGBR4). Saem da carteira as ações de Locaweb (LWSA3), após valorização de 26% em abril, PagSeguro (PAGS34), Suzano (SUZB3), Cosan (CSAN3) e B3 (B3SA3).

A carteira mantém exposição à saúde, mas substitui a Rede D'Or (RDOR3) pela Hapvida (HAPV3). Com 2 bilhões de reais de capital recém-levantado, a avaliação é que a empresa está pronta para outra rodada de M&As (fusões e aquisições). Além disso, apresenta um valuation atrativo, ajustado pela sinergia da fusão com a NotreDame Intermédica.

A carteira do BTG tem como objetivo capturar as melhores oportunidades e performances do mercado de ações. O processo de seleção dos ativos é feito pelo time de estrategistas de Research do BTG, sem considerar necessariamente índices de referência ou liquidez.


Leia também

Imagem da Editoria Exame Invest
Vanessa Daraya

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame