Exame Invest
Mercados

Alta dos preços ao produtor na China acelera em julho e amplia pressões

PUBLICADO EM: 9.8.21 | 8H26
A segunda maior economia do mundo está a caminho de expandir mais de 8% este ano, mas analistas dizem que a demanda reprimida já chegou ao pico
Preços ao produtor na China caem com menos força em novembro

China: na comparação mensal, o índice avançou 0,5%, acelerando ante a alta de 0,3% em junho

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A inflação ao produtor na China acelerou em julho em relação ao mês anterior e ficou acima das expectativas do mercado, ampliando a tensão em uma economia que perde o ritmo de recuperação conforme as empresas enfrentam altos custos de matérias-primas.

  • A pandemia mexeu com a economia e os negócios no mundo todo. Aprenda a investir com a EXAME Academy

A segunda maior economia do mundo está a caminho de expandir mais de 8% este ano, mas analistas dizem que a demanda reprimida já chegou ao pico e preveem que o crescimento vai se moderar em meio a gargalos de oferta e surtos da variante Delta da Covid-19.

O índice de preços ao produtor subiu 9,0% na comparação com o ano anterior, igualando a máxima vista em maio, informou nesta segunda-feira a Agência Nacional de Estatísticas. Analistas esperavam em pesquisa da Reuters avanço de 8,8%, o mesmo que em junho.

Na comparação mensal, o índice avançou 0,5%, acelerando ante a alta de 0,3% em junho.

"Acreditamos que as pressões inflacionárias são passíveis de controle, e Pequim não deve exagerar na reação ao dado de inflação de julho mais forte que o esperado", escreveram em nota analistas do Nomura.

"Em vez disso, esperamos que Pequim mantenha seu misto único de política monetária de 'aperto direcionado + afrouxamento universal´ durante o restante do ano."

A China cortou a taxa de compulsório dos bancos em julho, liberando cerca de 1 trilhão de iuanes (154,4 bilhões de dólares). Muitos analistas esperavam outro corte neste ano.

A inflação ao consumidor teve leve desaceleração, mostraram os dados, dando às autoridades espaço para agir se necessário. Comunicado separado da agência mostrou que o índice de preços ao consumidor subiu 1,0% em julho sobre o ano anterior, contra alta de 1,1% em junho e abaixo da meta do governo de cerca de 3% para este ano.

A expectativa em pesquisa da Reuters era de alta de 0,8%. Na comparação mensal, os preços ao consumidor subiram 0,3%, contra expectativa de alta de 0,2% e recuo de 0,4% em junho.

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame