Exame Invest
Invest Pro

BDR da American Airlines sobe até 48% mesmo com resultado ruim

PUBLICADO EM: 28.1.21 | 15H57
ATUALIZAÇÃO: 5.2.21 | 14H19
BDR da aérea norte-americana atingiu a cotação de R$ 129 durante a manhã desta quinta-feira
American Airlines

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliano Passaro

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O BDR da American Arilines (AALL34) chegou a subir 48% na manhã desta quinta-feira (28), atingindo a cotação de R$ 129,20. A alta não teve nenhuma ligação com os resultados divulgados pela companhia, que foram baixos. A empresa registrou um prejuízo recorde de US$ 2,2 bilhões no quarto trimestre de 2020. No mesmo período de 2019, a companhia teve lucro de US$ 414 milhões. A receita da aérea também apresentou forte queda, de 64%, para US$ 4,03 bilhões.

Para explicar a alta do BDR durante esta manhã, o especialista em BDRs da EXAME Research, Bernardo Carneiro, CFA, afirmou que foi apenas mais uma ação fruto de short squeeze de manipuladores, investidores de varejo, assim como ocorreu com Game Stop e Blackberry nas últimas semanas.

"A ação da American Airlines tem mais posições short (valor alugado apostando na queda) do que qualquer outra companhia aérea americana", disse o especialista.

O que é short squeeze?

O especialista da EXAME explica que short squeeze é a pressão exercida sobre o investidor, seja ele pessoa física ou fundo, que está apostando na queda das ações. "Ele aluga as ações, paga uma taxa de aluguel, e vende determinado valor por um prazo fixo torcendo pra ação cair. Se as ações começam a subir rapidamente, ele se vê obrigado a ir no mercado comprar as ações, para atenuar a perda que está tendo. Esse fluxo de compra aumenta mais ainda a demanda pelas ações e elas disparam mais, esmagando, apertando a posição short do investidor, aí surge o nome squeeze (aperto, em inglês)", exemplificou Carneiro.

Saiba tudo sobre como investir em BDR's aqui no Brasil na Maratona Você Investidor Global que acontecerá entre os dias 22 de fevereiro e 01 de março. É 100% online e gratuita!

Futuro da American Airlines

A American Airlines também informou nesta quinta que o cenário para os resultados dos próximos meses continua nebuloso. Isso porque foram comunicadas novas restrições de viagens recentemente, além dos atrasos na vacinação contra o coronavírus (covid-19), que tem forte impacto sobre o turismo. A companhia espera que o faturamento neste início de ano caia de 60% a 65% em relação ao mesmo período de 2020.

Apesar da alta do BDR da American Airlines por volta das 10h30 desta quinta, o ativo teve uma queda durante o pregão e ainda opera em alta, porém mais moderada em relação aos 48% atingidos nesta manhã. Perto das 14h25, o BDR da American Airlines operava em alta de 9%, cotado a R$ 98.

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliano Passaro

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame