Invest Pro

BDRs: Fabricantes de chips disparam no mercado diante de forte demanda

PUBLICADO EM: 11.2.21 | 10H43
Segundo Bernardo Carneiro, especialista da EXAME Research, empresas do segmento podem se tornar a 'nova Apple'; confira 5 que mais se destacaram nos últimos 3 meses

De acordo com o especialista em BDRs da EXAME, a fabricação de chips e semi-condutores é "uma mina de ouro"

Juliano Passaro

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Há um ativo cuja demanda explodiu e que representa uma nova oportunidade para os investidores.

A Honda e a Nissan, segunda e terceira maiores montadoras do Japão, respectivamente, anunciaram que terão uma queda no número de vendas de carros no ano financeiro que se encerrará em março deste ano. Serão vendidos 250 mil carros a menos do que no ano anterior, segundo informações da agência Reuters. A razão? Falta de chips.

Quer conhecer os BDRs mais quentes do mercado? Acompanhe as análises da EXAME Research

A queda está relacionada a um problema de escassez global de chips semicondutores, que afetou a produção das montadoras. O outro lado da moeda é que as empresas de chips passaram a ser vistas no mercado como companhias que podem crescer ainda mais e gerar ganhos nos próximos anos. Alguns BDRs (recibos de ações listadas no exterior e que são negociados na B3) de fabricantes de chips estão se destacando no mercado nos últimos meses.

De acordo com o especialista em BDRs da EXAME Research, Bernardo Carneiro, CFA, a fabricação de chips e semi-condutores é uma "verdadeira revolução e uma mina de ouro". Ele ressalta o fato de que por causa da escassez de chips no mundo as montadoras de automóveis estão sendo prejudicadas e afirma que cada vez mais empresas de outros ramos precisarão de chips para fabricar equipamentos eletrônicos.

"Há 20 anos só se encontrava chip em nossa casa se fosse na televisão, e um ou outro rádio. Hoje, somos rodeados de chips. Eles estão nos carros, nos tablets, nos celulares, nos notebooks... os veículos elétricos e autônomos têm muito mais chips do que os carros convencionais. Ou seja, falta chip no mundo. E quem são essas fabricantes de chips? Intel, Texas Instruments, NSX, Micron e a maior de todas, a TSMC (Taiwan Semiconductor)", afirma Carneiro.

Segundo o especialista da EXAME Research, há BDRs desse setor que estão triplicando de preço. "Ouso dizer que, daqui a dez anos, em 2031, a nova Amazon, a nova Apple ou o novo Google vai sair daí. Chip virou insumo básico pra tudo."

Carneiro destaca que o insumo, já nos dias de hoje, é procurado por empresas que fabricam geladeiras, máquinas de lavar, entre outros produtos que antes não necessitavam dessas "peças" que hoje são fundamentais.

"A Tesla quer (os chips), a General Motors quer, a Apple idem. Todo mundo quer chip e as ações dessas empresas lá fora estão bombando e algumas delas vão rachar de ganhar dinheiro ano após ano. É algo para comprar e ficar por muitos anos. Pode ser que você dobre, triplique ou quadriplique seu dinheiro", disse o especialista em BDRs.


Recomendado para você

A escassez de chips na indústria automobilística tem acontecido desde o fim de 2020. Recentemente, o presidente-executivo da Nissan, Makoto Uchida, abordou o assunto publicamente: disse que a companhia buscava mitigar o impacto da escassez de semicondutores em sua produção.

Confira 5 BDRs de fabricantes de chips que se destacaram nos últimos 3 meses na B3:

  • Micron Technology (MUTC34): +51%
  • Taiwan Semiconductor (TSMC34): +49%
  • NXP Semiconductors (N1XP34): +30%
  • Broadcom (AVGO34): +29%
  • Intel (ITLC34): +28%

Vale destacar que parte da escassez de chips no mundo ocorre por causa da inesperada demanda do consumidor chinês após a crise desencadeada pela pandemia do novo coronavírus.

Produtos como laptops, celulares e, principalmente, automóveis são os maiores responsáveis pela escassez. Outro fato importante é que os Estados Unidos, durante o governo do ex-presidente Donald Trump, impôs sanções à China no fornecimento de chips, o que acabou causando interrupções na cadeia de abastecimento de algumas empresas.


Leia também

Juliano Passaro

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais