Exame Invest
ESG

Bill Gates deseja que ações climáticas foquem mais em 2050 do que em 2030

PUBLICADO EM: 27.7.21 | 17H49
Priorizar o marco de 2030 pode desviar a atenção de problemas a serem resolvidos para atingir o objetivo de net zero no longo prazo, diz o fundador da Microsoft
Bill Gates Microsoft aquecimento global

Bill Gates, fundador da Microsoft: resolver o aquecimento global é uma tarefa de longo prazo (Walt Disney Television via Getty)

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

(Por Peter Coy, da Bloomberg Businessweek)

Quando se está tentando perder 7 quilos até dezembro, emagrecer 2 quilos em setembro é uma boa maneira de começar. Mas quando se está tentando salvar o planeta do aquecimento global, as coisas não funcionam necessariamente dessa maneira. Tentar atingir as metas intermediárias erradas pode ser contraproducente.

Isso acabou por tornar-se um verdadeiro problema para o governo Biden. Durante uma cúpula virtual do clima em 22 de abril, o presidente Joe Biden comprometeu-se com a meta de 2030 de reduzir as emissões líquidas de gases do efeito estufa dos EUA para não mais da metade dos seus níveis de 2005. O governo vê isso como um passo em direção à meta de 2050 de emissões líquidas zero, em que cada tonelada de emissão adicionada à atmosfera é compensada por uma tonelada removida.

Mas priorizar o marco de 2030 tem o potencial de desviar a atenção e o financiamento de pesquisa e desenvolvimento em problemas difíceis que precisam ser resolvidos para atingir o objetivo de net zero.

Bill Gates, cofundador da Microsoft, fez essa afirmação em seu recente livro How to Avoid a Climate Disaster (Como Evitar um Desastre Climático). Se 2030 for a medida do sucesso, escreveu Gates, será tentador focalizar, por exemplo, na substituição de usinas geradoras a carvão por usinas de gás natural que produzem menos emissões de gases de efeito estufa. Mas essas novas usinas de gás natural ainda estariam lançando gases de efeito estufa em 2050 e continuariam a representar uma barreira para chegar ao zero líquido.

Gates concorda que faz sentido investir em tecnologias como eólica e solar para que se atinja net zero. Mas,  também defende gastos em áreas que terão pouco impacto sobre os níveis de emissão de curto prazo, como setores de eletrificação que dependem de combustíveis de carbono, como fabricação e transporte. Como a eletricidade ainda viria parcialmente do carvão e do gás, isso não reduziria as emissões nesses setores visivelmente até 2030. Mas tornaria mais fácil para eles chegarem a zero líquido em 2050, quando a eletricidade poderá ser gerada inteiramente a partir de fontes renováveis.

Descobrir como produzir aço e cimento de forma net zero  é outra missão cara e difícil que não reduzirá as emissões rapidamente, mas essencial para atingir a meta de 2050, diz Jonah Goldman, diretor-gerente da Breakthrough Energy, operação de Gates para investimentos em empreendimentos relacionados ao clima. Há também o desafio de armazenamento  de energia por longo prazo, que é essencial para uma maior dependência da energia eólica e solar, fontes de energia que são inerentemente intermitentes.

Net zero em 2050

Ao avaliar o progresso em direção ao net zero em 2050, o avanço desses projetos de P&D deve ser considerado tão importante quanto a redução dos gases de efeito estufa, escreveu Goldman por e-mail.

Bill McKibben, escritor ambientalista que fundou a 350.org, opõe-se vigorosamente a esse enquadramento. Em um e-mail, ele disse que se os EUA não implementarem energia alternativa em grande escala imediatamente e "dominar a curva de carbono na próxima década, então o resto das coisas não vai importar muito porque será igual ao inferno, ou  então uma temperatura semelhante.”

Para McKibben, a defesa de soluções de longo prazo, como a pesquisa básica, é atraente para os políticos que procuram contornar as escolhas difíceis. “Não é preciso dizer não a nada. Mas se não dissermos não ao carvão, gás e petróleo dizendo sim ao sol, vento e conservação, e fizermos isso ainda nesta década, estaremos completamente ferrados”, escreveu ele.

Por e-mail,  um porta-voz do Departamento de Estado disse que John Kerry, o assessor presidencial especial para o clima, acredita que “a implantação de hoje e a inovação de amanhã não são mutuamente exclusivas” porque a implantação de novas tecnologias ajudará a impulsionar a inovação.

Goldman escreveu que a equipe de Gates e outros proeminentes ativistas do clima simplesmente veem as coisas de forma diferente. Ele disse que o argumento de McKibben cria uma falsa escolha. A disputa, para um estranho, pode parecer uma questão de o que enfatizar.

2030 vs. 2050

“Devemos implantar rapidamente as energias renováveis ​​em um ritmo sem precedentes e devemos investir como nunca fizemos no dimensionamento das tecnologias inteligentes para o clima de que precisamos, como aço, cimento e combustíveis líquidos com zero de carbono, que levarão tempo para construir o mercado técnico, e estruturas políticas para superar seus concorrentes fósseis ”, escreveu Goldman. “Esta não é uma ação atrasada, é uma ação essencial”.

O debate 2030 vs. 2050 provavelmente acontecerá nos corredores da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática em Glasgow, Escócia, que começa em 31 de outubro. Os participantes estarão lidando com uma crise mundial cuja urgência está se tornando mais visível a cada estação de seca ou de furacões.

Mas, para resolvê-la, eles também precisarão reconhecer a necessidade de desenvolver tecnologias que hoje não existem e podem levar anos de trabalho antes de produzir qualquer impacto tangível. Como Gates disse, o mundo não pode simplesmente se contentar com a solução mais fácil. Precisa ir ainda mais além.

Quer saber como as mudanças climáticas afetam o dia a dia dos negócios? Assine a EXAME. 

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame