ESG

BlackRock levanta US$ 4,8 bilhões para investir em energia renovável

PUBLICADO EM: 8.4.21 | 18H40
A divisão de ativos reais da empresa fechou seu terceiro fundo global de energia renovável, atraindo dinheiro de mais de 100 investidores institucionais

(Bloomberg via Getty Images)

marianamartucci

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A BlackRock levantou US$ 4,8 bilhões para um novo fundo que vai investir em ativos de energia renovável em todo o mundo - quase o dobro de sua meta inicial.

A divisão de ativos reais da empresa fechou seu terceiro fundo global de energia renovável, atraindo dinheiro de mais de 100 investidores institucionais. É o mais recente sinal de aumento do interesse dos investidores em comprar o crescente setor de energia verde.

“Você está vendo uma grande mudança no interesse institucional na descarbonização e deseja alocar nela”, disse Jim Barry, diretor de investimentos da BlackRock Alternatives Investors. “A pandemia apenas sustentou e aumentou esse ímpeto.”

Os gestores do fundo tinham como meta original cerca de US$ 2,5 bilhões quando começaram a arrecadar dinheiro no segundo semestre de 2019. Eles continuaram além dessa meta no ano passado e adicionaram mais US$ 1,2 bilhão nos primeiros três meses deste ano. A demanda é impulsionada parcialmente por investidores que desejam explorar a parte de crescimento mais rápido do setor de energia, bem como uma busca por rendimento, disse Barry.

Este é o maior fundo de energia renovável até agora para BlackRock Real Assets, quase o triplo do tamanho do fundo anterior.

A BlackRock já começou a investir o dinheiro do fundo, como por exemplo em uma empresa americana de energia solar e em um desenvolvedor de energia solar em Taiwan.

A BlackRock planeja investir principalmente em ativos eólicos e solares na Europa, nos EUA e em alguns países da região Ásia-Pacífico, como Coreia do Sul, Japão e Taiwan. E já assinou um acordo relacionado à energia eólica offshore na Ásia.

Embora no passado a BlackRock comprasse principalmente ativos de energia renovável prontos para construção ou operacionais, desta vez está diversificando para projetos em estágios anteriores e também comprando para incorporadores. O fundo também buscará investir em outras tecnologias, como medidores inteligentes, redes de energia inteligentes e infraestrutura de suporte a veículos elétricos.


Recomendado para você


Leia também

marianamartucci

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais