Exame Invest
Invest

Cannabis virou nova opção para investir, mas a sugestão é ir com calma

PUBLICADO EM: 26.6.21 | 9H18
Há opções de ações que sobem até 130% no ano. Mas a sugestão é aplicar parcelas pequenas para esse tipo de ativo

A disparada das ações de empresas de cannabis tem despertado a atenção de investidores

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 1MIN

A disparada das ações de empresas de cannabis tem despertado a atenção de investidores. Um dos maiores fundos de índice (ETF) do setor, o ETFMG Alternative Harvest, negociado sob o código “MJ” na bolsa de Nova York, sobe 50% neste ano, ante avanço de 13% do índice S&P 500.

Para quem deseja acessar esse mercado, no Brasil há três fundos de cannabis disponíveis — dois deles da Vitreo e um da XP. Todos com aplicação mínima inicial de 100 reais. Só o Vitreo Canabidiol é voltado para investidores com mais de 1 milhão de reais investidos. Os demais são abertos ao público em geral.

BTG Pactual digital (do mesmo grupo de controle da EXAME) lançou uma alternativa para aplicar esse segmento, por meio de um Certificado de Operação Estruturada (COE) com exposição ao ETF “MJ”.

O mínimo inicial é de 1.000 reais. Outra opção é comprar as ações no mercado externo. Na corretora internacional Stake, as ações da Tilray, que sobem 131% no ano, e da Aurora Cannabis, que avançam 13%, são as mais procuradas pelos clientes. “Sugiro destinar uma parcela pequena de 5% a 10% do capital que já está no exterior para esses ativos”, comenta João Piccioni, analista da Empiricus.

Leia mais sobre os negócios de cannabis na reportagem da edição de junho da EXAME.

 

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame