Exame Invest
ESG

CEO da Tegra: “Sustentabilidade é questão de sobrevivência”

PUBLICADO EM: 25.11.21 | 12H33
ATUALIZAÇÃO: 26.11.21 | 11H09
No segundo vídeo da série ESG 360, Bira Freitas fala sobre carbono zero, logística reversa, e como as novas gerações estão mudando a construção civil.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Renata Faber

O setor de construção civil tem vários desafios ambientais e sociais. Na parte ambiental, a indústria de cimento é grande emissora de carbono, e o processo de construção gera muitos resíduos. Do lado social, as condições de trabalho dos colaboradores nas obras são pontos de atenção.

Apesar dos desafios da indústria, a Tegra tem se destacado pelas práticas sustentáveis. “Para nós, sustentabilidade é questão de sobrevivência”, explica Bira Freitas, CEO da incorporadora. Como exemplo de boas práticas, Freitas fala sobre a “obra carbono zero” e o programa de logística reversa de resíduos.

Quer se especializar em ESG? Aproveite as ofertas da Black Friday para cursos e MBAs sobre o tema:

Com relação à emissão de carbono, a Tegra compensa as emissões de escopos 1, 2 e 3. “Mas compensar não é o suficiente. Precisamos reduzir nossas emissões, e compensar apenas a parte que não conseguimos diminuir”, diz Freitas. Para isso, a empresa está trabalhando junto com a Votorantim no desenvolvimento de um tipo de cimento com grande redução de emissões.

Na parte social, a Tegra investe em segurança, saúde e educação dos colaboradores. “Temos um programa de analfabetização zero nas nossas obras”, afirma Freitas. Outro stakeholder que está no centro das atenções da Tegra são os clientes. “Para nós, o cliente é ‘o’ stakeholder”, explica Bira. Um exemplo do compromisso com os clientes é o fato de todas as obras da Tegra terem um painel com contagem regressiva até a entrega. “Isso mostra muito respeito com os clientes”, complementa Bira.

E, se a Tegra está sendo capaz de endereçar todos os pontos materiais do setor de construção civil, é porque ESG não é uma agenda recente na companhia. “A alta liderança e a operação sempre foram conectadas com os princípios de sustentabilidade por meio de um programa criado em 2017. Esse tsunami ESG dos últimos dois anos não pegou a empresa de surpresa porque ela já estava mais avançada para as demandas do mercado frente à urgência imposta pela mudança climática e, principalmente, para as oportunidades que se apresentam", explica Velma Gregório, consultora de estratégia ESG da ÓGUI.

Assista a mais um episódio da série ESG 360 no link abaixo.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame