Exame Invest
Mercados

Brandão diz que houve falha de comunicação com Bolsonaro sobre fechamento de agências

PUBLICADO EM: 12.2.21 | 12H01
ATUALIZAÇÃO: 12.2.21 | 12H04
Em teleconferência com jornalistas, o CEO do BB reiterou o plano de reduzir o número de agência do banco e economizar 10 bilhões de reais até 2025
DADOS 1

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

(Reuters) - O presidente-executivo do Banco do Brasil (BBAS3), André Brandão, afirmou nesta sexta-feira que houve um problema de comunicação com o presidente Jair Bolsonaro quando o banco anunciou que fecharia mais de 300 agência em todo o país.

Em meados de janeiro, o banco anunciou um plano de reestruturação que incluía o fechamento de 361 unidades, sendo 112 agências, 7 escritórios e 242 postos de atendimento. O anúncio foi mal avaliado por Bolsonaro, que chegou a ameaçar demitir o executivo.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

“Não conversei diretamente com o presidente, mas ele entendeu o que estamos fazendo e pretendo ainda com mais calma explicar toda a agenda de eficiência do banco”, disse Brandão, em teleconferência com jornalistas realizada nesta sexta-feira, 11.

Ele reiterou o plano de reduzir o número de agência do banco e economizar 10 bilhões de reais até 2025. Mas afirmou que o BB não abandonará totalmente nenhuma cidade. Segundo ele, se o banco decidir fechar uma agência em determinada cidade, outra agência ou correspondente bancário fornecerá os serviços básicos.

Além do fechamento de agências, o executivo disse que o programa de demissão voluntária (PDV) foi finalizado com a adesão de mais de 5,3 mil pessoas e que vai gerar uma economia anual recorrente de 783 milhões de reais e uma economia líquida de 2,9 bilhões até 2025.

Em relação à venda de ativos, Brandão disse ainda que a "Cielo (CIEL3) é core para o Banco do Brasil, não vamos desinvestir nesse momento mas temos que pensar como melhorar a experiência do cliente".

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame