Exame Invest
Mercados

China pode comprar petróleo em breve após liberar reservas

PUBLICADO EM: 10.9.21 | 13H29
ATUALIZAÇÃO: 10.9.21 | 14H50
O curto comunicado de dois parágrafos na quinta-feira deu poucas pistas se o plano é uma iniciativa nova ou a confirmação de uma medida anterior divulgada em julho
Tanques de armazenamento de óleo nos arredores de Ningbo, província de Zhejiang, China.

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Por Alfred Cang, da Bloomberg

A declaração ousada, mas vaga, da China de liberar as reservas de petróleo de seus enormes estoques estratégicos leva alguns operadores a questionarem o impacto de tal medida adotada pelo maior importador de petróleo do mundo.

  • Como a política internacional impacta os investimentos? Aprenda a investir com a EXAME Academy

O curto comunicado de dois parágrafos na quinta-feira deu poucas pistas se o plano é uma iniciativa nova ou a confirmação de uma medida anterior divulgada em julho, gerando confusão e pânico. Faltaram detalhes sobre os volumes das vendas e a data de liberação dos barris.

A resposta inicial do mercado foi a queda dos preços. No entanto, enquanto a liberação estratégica para refinarias domésticas reduziria a necessidade de petróleo de vendedores estrangeiros e afetaria a demanda, com o esgotamento dos estoques a China precisaria aumentar as compras novamente para reabastecê-los no futuro. Esse reabastecimento pode não estar muito longe, já que os estoques caíram recentemente.

A Administração Nacional de Alimentos e Reservas Estratégicas não respondeu de imediato a um pedido de esclarecimento por fax sobre o comunicado.

A China não fornece dados oficiais sobre seus estoques totais, mas o uso de satélites permite que provedores de dados consigam algumas informações. O estoque total de petróleo do país, incluindo reservas estratégicas, havia encolhido para cerca de 1,02 bilhão de barris até 2 de setembro, o menor nível desde junho de 2020, de acordo com o Sistema Espacial Ursa. A consultoria OilChem estima que os estoques de petróleo bruto em portos comerciais correspondiam a cerca de 59% da capacidade no final de agosto, na mínima de 2021.

A China já havia liberado entre 20 milhões e 30 milhões de barris  de suas reservas estratégicas durante o verão no hemisfério norte, de acordo com Amrita Sen, cofundadora da consultoria Energy Aspects. Qualquer venda extra neste ano dificilmente será superior a 15 milhões de barris, acrescentou.

Outros países como EUA têm acessado suas reservas estratégicas de petróleo recentemente para apoiar refinarias que ainda sentem o impacto do furacão Ida. A produção no Golfo do México demorou a ser retomada depois que a tempestade de categoria 4 atingiu a região na semana passada.

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame